fazedores

Advertio. Anúncios fáceis na internet para micronegócios

João Aroso fundou a Advertio juntamente com Pedro Rodrigues. Conta com 12 pessoas no escritório da Bright Pixel, o laboratório para startups do grupo Sonae, em Lisboa. Até ao final do ano, vão entrar mais oito pessoas.
(Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens)
João Aroso fundou a Advertio juntamente com Pedro Rodrigues. Conta com 12 pessoas no escritório da Bright Pixel, o laboratório para startups do grupo Sonae, em Lisboa. Até ao final do ano, vão entrar mais oito pessoas. (Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens)

Startup portuguesa cria campanhas personalizadas em três minutos para pequenos negócios em plataformas e motores de busca.

Uma fatia de mais de 99% das empresas em Portugal tem até 50 funcionários e faturam menos de dez milhões de euros. São as micro e pequenas empresas e que têm de apostar cada vez mais na publicidade digital para conseguir atrair clientes. A Advertio é uma startup nascida em 2016 que quer ajudar estes pequenos negócios a ganharem relevância, ao simplificarem a promoção de anúncios nas redes sociais e nos motores de busca. Incubada na Bright Pixel, a Advertio conta com uma equipa de 12 pessoas e já obteve financiamento de 725 mil euros.

“Por exemplo, um restaurante de sushi no Chiado chega à nossa plataforma e criamos automaticamente uma campanha para sensibilizar os potenciais clientes a ir a esse restaurante. Para isso, fazemos publicações patrocinadas nas redes sociais e nos motores de busca”, explica João Aroso, cofundador da Advertio juntamente com Pedro Rodrigues.

A startup portuguesa funciona como uma intermediária entre os pequenos negócios e os parceiros como Facebook, Google e Microsoft. “Não cobramos nada aos anunciantes, que depois gastam o dinheiro junto das plataformas”, acrescenta o fazedor português.

A Advertio cria as campanhas a partir da página na internet destes negócios. “Vamos buscar as críticas e os conteúdos através de integrações com várias plataformas. A partir daí, conseguimos ver que uma determinada frase com uma certa terminação resulta no texto (copy) ideal para o objetivo da campanha. E é logo aí que construímos o anúncio.”

Os anunciantes depois podem saber praticamente todas as informações sobre as campanhas realizadas, desde o número de cliques à conversão destes mesmos cliques em visitas ou adesões a estes pequenos negócios. E podem, se quiserem, investir em determinadas palavras-chave com maior potencial.
A Advertio nasceu numa época em que a publicidade digital “tornou-se bastante complexa.

Antigamente, fazia-se tudo através do Google AdWords; depois, juntou-se o Facebook; atualmente, há o Twitter, o LinkedIn, o Instagram, teremos o WhatsApp em breve, e ainda vários publishers. Isto ganhou um nível de complexidade que não está ao alcance de leigos. São necessárias pessoas especializadas para tratar disto”.

O fazedor português garante que a plataforma portuguesa não tira emprego aos publicitários, “que vão servir sempre para os anúncios mais profissionais, das grandes empresas. O que nós fazemos com as micro e pequenas empresas é melhor do que 90% dos anúncios que andam por aí”.

Este modelo foi desenvolvido durante mais de um ano graças ao financiamento de 725 mil euros liderado pela Bright Ventures, o fundo de investimento da Bright Pixel. A plataforma portuguesa abriu-se ao mercado nas últimas semanas e já conta com perto de 1000 utilizadores em Portugal e Espanha.

João Aroso construiu o conceito da Advertio a partir de uma experiência anterior com a Norshare Investimentos, a empresa que em 2014 comprou a Páginas Amarelas à Portugal Telecom e da qual saiu dois anos depois. “Estamos a automatizar um processo que antigamente era feito por 20 pessoas. Era um trabalho pouco criativo e muito rotineiro”.

Com essa experiência, João Aroso começou à procura de sistemas que ajudassem a criar campanhas de forma eficiente, apontando diretamente ao público-alvo dos anunciantes, procurando as melhores palavras-chave dos motores de busca e libertando as pessoas para tarefas mais criativas. Aroso acabou por vender a sua participação na Norshare e instalou-se na Bright Pixel em 2016.

Mas 2019 será o ano da conquista “de todo o mercado europeu”, o que poderá implicar nova ronda de investimento. Ao longo deste ano também serão contratadas oito pessoas, sobretudo programadores. Só depois disso é que a Advertio vai procurar o modelo de negócio mais rentável. “No momento em que o mercado está, é crucial conseguirmos uma posição disruptiva e sermos a ferramenta de automatização de publicidade em vários meios.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
( Pedro Granadeiro / Global Imagens )

Salário já não é tudo para segurar jovens talentos

António Costa, Mário Centeno e outros ministros num evento sobre os três anos de Governo. Fotografia: 
Gonçalo Delgado/Global Imagens

Costa só reverteu 35% do emprego público destruído no tempo de Passos e Portas

O Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Inácio Rosa/ Lusa)

Governo quer Finanças a fiscalizar Banco de Portugal

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Advertio. Anúncios fáceis na internet para micronegócios