Fazedores

Andy Murray junta-se à startup luso-britânica Seedrs

Tenista britânico é a primeira figura pública a investir em startups através do modelo de equity crowdfunding.
Tenista britânico é a primeira figura pública a investir em startups através do modelo de equity crowdfunding.

Andy Murray é a primeira figura pública a investir em startups na Seedrs, a plataforma de investimento que funciona com um modelo de equity crowdfunding.

O tenista britânico associa-se à plataforma através da sua participação como Advisory Board, que tem como objetivo “aconselhar a respeito de empresas nas áreas da saúde, desporto e tecnologia wearable”, explica a Seedrs em comunicado.

A Seedrs, uma plataforma luso-britânica que funciona por equity crowdfunding, tem como base a angariação online de investimento feito por um grande número de pessoas. A plataforma foi lançada em junho de 2012, e regista um crescimento mensal de 15%.

Leia mais: Portuguesa Agroop levanta mais de 80 mil euros de investimento na Seedrs

“Sempre me interessei por investimento, e a possibilidade de estar envolvido numa forma tão inovadora de ajudar a apoiar startups, britânicas e não só, pareceu-me muito apelativa. Igualmente importante para mim é ter a oportunidade de trabalhar com pessoas em quem confio e que realmente compreendem a grande responsabilidade envolvida em lidar com o capital de outras pessoas. Estou muito entusiasmado por trabalhar com a Seedrs e os empreendedores do futuro”, explica Murray, em comunicado.

Em Portugal, a Seedrs anunciou no mês passado ter contribuído para o financiamento da primeira startup portuguesa, a Agroop. A empresa, uma das finalistas do Prémio Inovação NOS, angariou um investimento de 80 mil euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP sem contrato com Estado só tem dinheiro até junho

avião da TAP

PS desafia TAP a corrigir plano de rotas áreas que “lesa interesse nacional”

Andy Murray junta-se à startup luso-britânica Seedrs