Aqui exportam-se empresas frescas

ng3090910

A história repete-se: um grupo de amigos tem uma ideia, decide levá–la para a frente, monta uma start-up. A diferença é que, neste caso, os três sócios montaram uma start-up que ajuda outras start-ups a nascerem.

Voltemos a 2010. David Santos, Henrique Pedro e Inês Simão tinham empregos sólidos. Como estavam tão ligados à área financeira, montaram uma consultora de projetos de investimento voltada essencialmente para a criação de planos de negócio. Um dia quiseram mais e remodelaram a Up To Start de modo a criar uma empresa capaz de dar todas as respostas possíveis a um empreendedor que esteja a dar os primeiros passos. Hoje têm oito funcionários – todos entre os 25 e 35 anos – e uma carteira de projetos que cresce todos os meses.

“Se hoje podemos estar orgulhosos de ter implementado empresas em países tão distantes como Brasil, Angola, EUA e Moçambique foi porque temos uma equipa que se esforça todos os dias pela empresa”, explica David Santos, que não esconde o orgulho de “uma taxa de sucesso” que ronda os 100%. “Enquanto olhamos à nossa volta e vemos infelizmente o nosso país quase a definhar, nós estamos numa fase de crescimento exponencial. É comum à meia-noite ainda haver movimento nos e-mails. É um trabalho que levamos para casa com gosto”, diz.

Projetar… os projetos dos outrosNo início foram “milhares de horas dedicadas” e “uns poucos milhares de euros”. Mas o investimento “tem sido compensado com o crescimento que estamos a ter em contraciclo e que também se reflete na internacionalização”, diz David Santos.

O processo é relativamente simples. Basta uma reunião com o novo cliente para começarem a construir um plano de 360 graus à volta da ideia que este empreendedor traz na cabeça. Depois é tudo feito em parcelas individuais até se formar uma empresa nova. “De um lado teríamos o pessoal das finanças e, se necessário, da parte legal a pensar o modelo de negócio, e passado pouco tempo teríamos o pessoal criativo a construir o branding da empresa, e ainda a intervenção de arquitetos para o espaço corporativo como designers gráficos para desenhar o logótipo.”

Empreendedores tímidosQuando a parte técnica está completa, a ideia passa para a equipa de marketing que vai “planear e depois implementar o projeto”. Na última fase, a já “empresa” volta aos financeiros, que vão desenhar um último plano para garantir a saúde financeira do projeto criado. Quando está tudo pronto já existe autonomia, mas a colaboração da Up To Start pode não terminar: “Normalmente tornamo-nos consultores de gestão externos dos negócios que ajudamos a criar ou a expandir”, continua o mesmo sócio.

Parece fácil, mas não é. Com a economia em queda, “já não basta uma boa ideia, é preciso ter uma boa equipa” que convença a banca, conheça os adversários e as linhas de apoio existentes no País. Por isso, “só aceitamos projetos em que acreditamos. Partilhamos demasiados riscos com os nossos clientes para podermos falhar”, acrescenta David Santos.

E não querem falhar nos projetos alheios, muito menos no grande projeto que também fizeram nascer. Com apenas dois anos, a Up To Start tem “um pipeline mensal de mais de dez projetos” e cada vez mais trabalho. “Tudo o que fizemos foi feito com as nossas próprias mãos e com o nosso próprio esforço. Se hoje podemos estar orgulhosos de ter implementado empresas em países tão distantes, foi porque temos uma equipa que se esforça todos os dias.”

Uma palavra para o empreendedorismo em Portugal? Tímido. “Começam agora a emergir pessoas que querem montar o seu próprio negócio e que se organizam ativamente para o fazer, mas na grande maioria temos ainda infelizmente uma cultura pouco positiva e verdadeiramente empreendedora.”

RetratoA Up To Start nasceu em 2010 ° Inês, David e Henrique investiram alguns milhares de euros ° Fazem tudo o que uma empresa precisa para nascer, desde o conceito à imagem ° No final mantêm-se como consultores ° Já levaram empresas para os EUA e África ° Têm vários projetos ao mesmo tempo e acreditam que o empreendedorismo em Portugal ainda tem muitoa crescer

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(DR)

Crédito ao consumo dispara 15% em outubro

(Paulo Spranger/Global Imagem)

Indemnizações pagas pelo Fundo de Garantia Salarial não escapam ao IRS

CP tem de entregar contrato de serviço público com o Estado até 31 de dezembro. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

CP: Adiamento de manutenção de comboios regionais vale demissão

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Aqui exportam-se empresas frescas