Dinheiro Vivo TV

As melhores mulheres na tecnologia querem acelerar a igualdade (e não só)

A carregar player...

Comunidade Portuguese Women in Tech entregou primeiros prémios de sempre na Alfândega do Porto.

A área da tecnologia é uma das mais desiguais para as mulheres em todo o mundo: em Silicon Valley, apenas 17% das startups foram fundadas por mulheres; na Europa, esta percentagem baixa para os 15%. E por cada mil mulheres com formação académica no Velho Continente, apenas 24 entram para a área tecnológica. Estes são alguns dos motivos para que a comunidade Portuguese Women in Tech (PWIT) tenha de celebrar o papel do género feminino no combate à desigualdade. Este sábado, foram atribuídos os primeiros prémios de sempre para as mulheres na área da tecnologia e o Dinheiro Vivo acompanhou toda a cerimónia.

“Estou farta de ser a única mulher!” Não podia ser mais clara a mensagem de Ana Teresa Lehmann, que acabou de passar pela secretaria de Estado da Indústria e partilhou com a assistência da Alfândega do Porto aquilo que sente ao fim de mais de 20 anos de carreira a nível profissional. Sobretudo na área do digital, as mulheres recebem menos do que os homens, não têm as mesmas oportunidades de emprego e acabam por ter de abandonar esta carreira por motivos profissionais.

É por isso necessário “atrair mais mulheres para a tecnologia, sobretudo como programadoras”, destacou Inês Santos Silva, a apresentadora destes prémios e que é um dos membros mais ativos da comunidade PWIT.

A primeira edição destes galardões reuniu um total de 800 nomeações e as nove vencedoras foram escolhidas através de 6.000 votos. Estes prémios são essenciais porque “não se podem demorar 100 anos a chegar à igualdade. É preciso acelerar este processo”, acrescentou a também fundadora do projeto de apoio aos refugiados Techfugees em Portugal.

Mais do que agradecer o prémio a título individual, cada uma das vencedoras preferiu assinalar que estas distinções são em prol da comunidade das mulheres na área da tecnologia. “Todas nós somos responsáveis por espalhar a palavra e fazer com que mais gente se junte ao nosso movimento”, salientou, por exemplo, Liliana Cardoso, especialista em recursos humanos da Zalando em Portugal.

Os prémios da comunidade PWIT foram um dos oito projetos apoiados pelo município do Porto, ao abrigo da estratégia Scaleup Porto.

Conheça, abaixo, as vencedoras por cada categoria:

Fundadora/co-fundadora de startups:

  • – Cristina Fonseca – Talkdesk;
  • – Mariana Gomes – MUB Cargo;
  • Romana Ibrahim – Keep Warranty;

Programadora:

  • – Filipa Lacerda – GitLab;
  • – Penelope Gonçalves – Contentserv;
  • Sandra Costa – Bosch Car Multimedia;

Especialistas em dados e analítica:

  • – Filipa Rodrigues – OutSystems;
  • Isabel Portugal – Hostelworld;
  • – Marilia Felismino Simões – ML Analytics;

Gestora de produto:

– Catarina Macedo – Microsoft;
– Paula Ramos – Findster;
Sílvia Coimbra – Farfetch;

Líder de designer:

  • – Carlota Silva – BLIP;
  • Mariana Gomes – dashdash;
  • – Sofia Rocha – Unbabel;

Especialistas em recrutamento:

  • – Alexandra Líbano Monteiro – OutSystems;
  • Liliana Cardoso – Zalando;
  • – Vânia Correia – dashdash;

Especialistas em vendas e marketing:

  • – Ana Ventura – Infraspeak;
  • Catarina Cardoso – Jscrambler;
  • – Catarina Coutinho – Unbabel;

Líder de comunidade:

  • – Catarina Campino – Academia de Código;
  • – Lea Gregorka – FoundersFounders;
  • – Patrícia Candeias – ENTER Startup – Altice;

Melhor startup fundada por uma mulher:

  • – Didimo;
  • – Keep Warranty;
  • Talkdesk.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Miguel Pina Martins, CEO da Science4you.

(Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens)

Science4you quer alargar prazo da oferta pública até fevereiro

Fotografia: DR

Trabalhadores dos impostos avançam para a greve

(Carlos Santos/Global Imagens)

Porto de Setúbal: Acordo garante fim da greve às horas extraordinárias

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
As melhores mulheres na tecnologia querem acelerar a igualdade (e não só)