fazedores

Azul. Esta estação de serviço leva o combustível até si

José Carmo / Global Imagens
José Carmo / Global Imagens

Novo negócio arranca com o país em pleno estado de emergência e serve, para já, Grande Lisboa. Investimento inicial é de um milhão de euros.

A Azul é a primeira empresa que leva o combustível até si, seja particular ou um gestor de frota. Arranca esta segunda-feira um negócio que promete poupar tempo e complicações a clientes, graças a postos de abastecimento móveis, com tanques de mil litros cada uma, e que têm gasóleo, gasolina sem chumbo 95 e gasolina sem chumbo 98. O serviço vai funcionar, para já, na Grande Lisboa, mas deverá também chegar ao Grande Porto ainda neste ano. O investimento inicial é de um milhão de euros.

“Utilizamos uma carrinha semelhante às das entregas dos correios, em vez de um camião cisterna. O nosso serviço cumpre todas as normas do transporte de matérias perigosas“, assegura Hugo Botelho, um dos fundadores da Azul, em entrevista ao Dinheiro Vivo. “O tanque está protegido da carroçaria; o material é anti-explosivo e anti-incêndio. Se houver algum problema, o combustível fica dentro da carrinha, evitando a fuga”, detalha o fazedor.

O negócio arranca numa altura em que o país vive em estado de emergência e os postos de combustível são considerados um serviço essencial. “Nesta altura, o serviço pode ter uma importância ainda maior. Alguns dos trabalhadores são obrigados a ir às empresas e os trabalhos estão muito alterados. Também podemos proporcionar este serviço aos hospitais e, em particular, aos médicos e geradores.”

A adesão ao serviço é feita a partir da página oficial da Azul, onde se adiciona o cartão de crédito para pagamento. O preço do combustível é semelhante ao praticado nos postos de abastecimento das distribuidoras e há acordos com três das principais petrolíferas portuguesas. O abastecimento mínimo é de 15 euros. Os clientes empresariais pagam uma comissão de 15 cêntimos por cada veículo. O motorista da carrinha apenas é responsável pelo abastecimento.

Empresas de aluguer de automóveis, marcas do ramo de distribuição urbana e ainda três grandes empresas nacionais são as primeiras clientes da Azul.

A startup garante que este negócio tem uma baixa estrutura de custos: “uma carrinha consegue distribuir entre 300 mil e 500 mil litros de combustível por ano, 5% do custo de ter uma estação de serviço, que fornece 1,5 milhões de litros por ano.

Por agora, a equipa da Azul conta com seis pessoas, das quais três são motoristas. A frota conta com três carrinhas de abastecimento, havendo mais três em preparação.

Início insólito

A ideia para este negócio surgiu depois de uma experiência de Hugo Botelho. “Fui de fim de semana com os amigos e alugámos o carro. Tínhamos de o devolver, no final, com o depósito cheio, caso contrário, seria preciso pagar uma taxa mais o preço por litro da estação de serviço. Como não havia tempo para entregarmos o carro e pôr combustível, optámos por o devolver sem o depósito cheio. Quando expusemos a situação ao funcionário da agência, apercebi-me de que no parque da frota havia muitos carros parados que precisavam de poucos litros de combustível e que tinham de ir de propósito à estação de serviço.”

Hugo não esqueceu o episódio e partiu à procura de uma solução. No final de 2018, começou a ligar para fornecedores de materiais “mas ninguém sabia como criar estes postos de abastecimento. Tivemos de andar à volta com produtores portugueses e europeus para garantir toda a certificação e segurança do projeto. O processo de certificação demorou um ano e teve de passar por um instituto europeu”, recorda.

Durante 2019, a Azul conseguiu obter o investimento necessário para arrancar com o negócio, graças a capitais próprios e ao apoio de business angels.

Ao longo deste ano, esta startup vai comprar mais seis carrinhas e entrar no Grande Porto. Em 2021, a ambição passa por chegar a mais regiões portuguesas e até ao mercado espanhol.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Azul. Esta estação de serviço leva o combustível até si