Ministério dos Negócios Estrangeiros

Bang! Bang! Os cartoons portugueses

Miguel é produtor e realizador
Miguel é produtor e realizador

Miguel Braga podia ter sido um gestor de topo, mas a paixão pelo desenho falou sempre mais alto e obrigou-o a virar-se para o design. Passou por uma empresa de marketing e publicidade, mas foi com a banda desenhada que deu o salto para abrir a Bang! Bang!, o maior estúdio de animação 2D em Portugal.

Miguel começou por vender tiras de banda desenhada à peça para as revistas Portugal Radical, Fórum Estudante e Cães & Companhia e ainda aguentou três anos como freelancer, até perceber “que assim não dava” e mergulhar no mercado da animação, em 1998. Na altura com 27 anos e sem experiência na área, respondeu a um anúncio e foi aceite na equipa do estúdio Magic Toons, onde ficou um ano.

Porém, não era bem aquele o seu caminho. Para o descobrir, Miguel aproveitou o boom da Internet e criou um site onde expunha as “bonecadas que fazia”, desenvolvendo um método de trabalho único que lhe permitiu “produzir bonecos em quantidade industrial e com boa qualidade” – uma combinação entre os programas Corell e Flash que deitou por terra o império do Illustrator da Adobe. “Chamaram-me doido, disseram que era impossível fazer animação assim, mas eu sou a prova do contrário”, conta.

A ideia tinha tudo para vencer, mas Miguel ainda não era autossuficiente. Por isso, andou a saltar entre a paginação, o design gráfico e a publicidade, até conseguir vender, em 2004, a série O Anjinho da Guarda à SIC Radical. “Éramos cinco, em regime de freelancer, e trabalhávamos numa sala em casa da minha avó”, no estúdio que na altura se chamava Headcoretoons. Em 2007 chegou a proposta da RTP2 para integrar o programa infantil ZigZag, com as séries A Ilha das Cores e Sótão Mágico e daí a conquistar o canal Panda foi um instante.

“Percebi, então, que era preciso mudar de casa e de nome.” Bang! Bang! surgiu da necessidade de internacionalização, depois de Miguel e a sua equipa terem arrecadado o terceiro lugar do MTV ULoad com uma curta-metragem animada de 30 segundos e ficado em primeiro lugar no festival angolano de publicidade, Acácia de Ouro.

O estúdio começou a ganhar nome (e mercado) e no início do ano passado mergulhou de cabeça no maior projeto de animação alguma vez feito em Portugal, as Nutri Ventures: uma série de desenhos animados de quatro temporadas, com 52 filmes de 27 minutos cada, que ensina os miúdos a comer de forma saudável. Pelo caminho, claro, há batalhas contra os “maus” e lições didáticas sobre a roda dos alimentos.

A proposta chegou por parte da Watermelon, uma empresa dedicada à produção de conteúdos para televisão, e implicou um investimento de 2,5 milhões de euros.

“É um projeto gigante, dois anos de trabalho non stop.” Um episódio com 360 planos “demora, em média, um mês a ficar pronto”, conta. Por mês avança 45 minutos e 40 planos, o que, multiplicado por 52 filmes, pode ultrapassar a data prevista para a conclusão da série, cuja estreia ocorre no final de Maio ou início de Abril, na RTP1.

Agora, com casa fixa na Av. 5 de Outubro, em Lisboa, a Bang! Bang! já conta com 46 animadores e Miguel Braga, que deixou de desenhar para passar a produzir e realizar filmes de animação, espera conseguir manter a equipa com cada vez mais projetos em nome próprio.

Retrato

A Bang! Bang! é especializada em animação 2D digital para televisão, DVD e Internet. Já criou séries como Sótão Mágico, Família Silva da Silva, Zig Zag (RTP2) ou Anjinho da Guarda (SIC Radical). As Nutri Ventures são o seu mais recente e ambicioso projeto. Estrearam na RTP1 no final do ano passado e já há vários canais estrangeiros interessados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Bang! Bang! Os cartoons portugueses