fazedores

Baseville. A marca de roupa portuguesa com “ADN verde”

Ana Ferreira, Ana Costa e Filipa Sequeira da Baseville. 
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Ana Ferreira, Ana Costa e Filipa Sequeira da Baseville. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Do casamento entre a preocupação com o ambiente e a paixão pela moda, nasceu uma marca de vestuário que quer ser “a casa do guarda-roupa”.

A ideia surgiu em dezembro de 2016. Um ano depois as primeiras peças estavam à venda. A Baseville é uma marca de roupa básica sustentável e 100% portuguesa. “O nome surgiu de uma ideia romântica daquilo que nós gostaríamos de ser, a casa do guarda-roupa. O sítio onde vamos sempre que precisamos do essencial para vestir”, começa por explicar Ana Costa, a fundadora da marca.

Com uma infância a achar que ia mudar o mundo, foi num período de desemprego que idealizou a criação da Baseville, aliando a preocupação com o ambiente e a moda, outra área de que tanto gosta. Depois desafiou uma amiga e juntas avançaram com o projeto. “A moda nunca foi uma área que me cativasse muito, mas quando aliada à sustentabilidade torna o desafio muito mais interessante”, conta Ana Ferreira. Às Anas juntou-se, recentemente, Filipa Sequeira para tratar da comunicação da marca.

A Baseville assenta em três valores: qualidade, sustentabilidade e inovação. “Fomos procurar fornecedores 100% nacionais que tivessem processos de produção eco-friendly, com menores consumos de água e de energia”, explica Ana Costa. A coleção é feita de apenas de três cores. As básicas, claro: branco, cinzento e preto. “Mas a cor do nosso ADN é verde”, brinca. Algodão orgânico, mircromodal e mistura de viscose com poliamida e elastano são as matérias-primas utilizadas para a confeção das peças. “A nossa essência é o eco-design. Usamos matérias-primas premium para garantir durabilidade e ciclos de vida mais elevados”.

Outra das particularidades da marca, que conta com o apoio do Centro Tecnológico CITEVE, é a certificação OEKO TEX dos seus fornecedores. “Significa que durante o processo de produção das malhas, do tingimento, da confeção e das etiquetas não existem substâncias nocivas à saúde que possam passar para nós”, explica Ana Costa.

As peças estão à venda online, em www.baseville.pt, e também em algumas lojas físicas. “O nosso objetivo é estar em lojas que passem a nossa mensagem, que tenham a mesma filosofia e essência que nós”, refere. Assim, o consumidor pode encontrar as peças em locais como o Antigo Talho (Lisboa), a Organii no Lx Factory (Lisboa), o Hotel São Lourenço do Barrocal (Monsaraz) e a Casa Mãe (Lagos).

“Um pé no futuro”

“Não faria sentido criar uma marca de raiz que não fosse sustentável a 360º graus”, diz a criadora. “O nosso objetivo é entregar às nossas clientes peças com um pé no futuro”. Como o fazem? A Baseville recorre à RePack, um serviço de embalagens reutilizáveis. “É o único fornecedor internacional porque não encontrámos nada em Portugal que nos satisfizesse”, conta Ana Costa.

As embalagens têm uma etiqueta que deve ser colocada do lado de fora assim que a cliente recebe a encomenda. Depois basta colocar o pacote nos correios. A embalagem é enviada para a origem para ser verificada e limpa e volta a entrar no circuito. São permitidas 20 reutilizações. Todas possuem um número de identificação e quem faz esta entrega recebe um vale de 10% de desconto numa próxima compra em qualquer uma das marcas associadas ao serviço RePack.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Base Aérea n.º 6, no Montijo, que será adaptada para a aviação civil caso aí avance a construção do novo aeroporto de Lisboa. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Montijo: Novo aeroporto já tem luz verde definitiva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva  (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Ministro defende atuação do Governo: Portugal “fará o que tem feito”

Cláudia e Paulo Azevedo
(José Carmo/Global Imagens)

Sonae “está a acompanhar com atenção e preocupação”

Baseville. A marca de roupa portuguesa com “ADN verde”