fazedores

BBox Sports. Surpresas para fãs de futebol cabem numa caixa

Hugo Matinho, Dulce Guarda e Ivan Braz, fundadores da startup Bbox Sports. (Orlando Almeida / Global Imagens)
Hugo Matinho, Dulce Guarda e Ivan Braz, fundadores da startup Bbox Sports. (Orlando Almeida / Global Imagens)

O Benfica foi o primeiro clube a vender produtos exclusivos e que podem ser recebidos a cada três meses. Mais clubes e seleções vão juntar-se em 2020.

O conceito das caixas surpresa chegou ao mundo do futebol graças à BBox Sports. A startup portuguesa esgotou as primeiras mil caixas no início da época e criou um pacote exclusivo para o Natal. Os adeptos podem comprar, pela internet, as caixas individualmente ou subscrevê-las e receber novos produtos a cada três meses. O Benfica é o primeiro clube parceiro; mas mais equipas e mesmo seleções irão juntar-se ao longo do próximo ano.

“Os fãs gostam muito de produtos de lifestyle e que possam usar no dia-a-dia. Só que não costumam encontrar isso e os produtos oficiais são muito caros. Há, depois, uma falha no mercado, que são as réplicas e os produtos contrafeitos. As pessoas têm acesso e acabam por comprar isso”, explicam Dulce Guarda e Ivan Braz, dois dos três fundadores da empresa, juntamente com Hugo Matinho.

Cada caixa surpresa custa 54,90 euros e inclui quatro a seis produtos exclusivos, que não podem ser comprados nas lojas oficiais, no valor de mais de cem euros. Este desconto só é possível porque não há intermediários. “O design é feito por nós, falamos diretamente com as fábricas e fornecedores e trabalhamos diretamente com os clubes.” As receitas são repartidas entre os clubes e a BBox Sports.

Também é possível assinar uma subscrição e receber uma caixa com artigos diferentes a cada três meses e que inclui uma camisola oficial. Cada embalagem, personalizada para homens, mulheres e crianças, pode ainda transformar-se numa experiência de realidade aumentada, “em que até se pode simular neve no estádio”. As entregas podem ser feitas para a Europa e os EUA.

MyCujoo A tecnologia que democratiza a transmissão de futebol

Na caixa de Natal, estreou-se também a coleção de bonecos e minicaneleiras, com 44 figuras, entre figuras atuais e históricas do Benfica e que incluem uma solução de realidade aumentada: quando um telemóvel aponta para lá, surgem estatísticas dos jogadores, fotos e mesmo vídeos. Dezenas de pacotes têm ainda experiências, como a visita ao museu.

Os adeptos têm uma palavra a dizer nos conteúdos que recebem: graças a uma aplicação móvel gratuita, inspirada no Tinder, deslizam para a esquerda quando não gostam e para a direita quando querem algo.

Pedir a opinião também ajuda a combater o desperdício. “Em vez de um clube estar a produzir três mil artigos em vão, conseguimos dizer que as pessoas só querem duas cores em vez de cinco.”

E também vão ajudar a decidir quais vão ser os próximos clubes parceiros, vindos de Espanha, França, Itália, Alemanha e Inglaterra. Esperam-se ainda acordos com equipas do Brasileirão – o Flamengo, treinado por Jorge Jesus, não deverá entrar na lista para já.

Como tudo começou

A startup conta com uma equipa de dez pessoas, centradas numa antiga loja em Odivelas. A BBox Sports começou há ano e meio em Amesterdão. Ivan conhecia o sucesso das caixas mistério do basebol e do basquetebol. “Está comprovado que este modelo é dos mais rentáveis e que gera maior atração dos fãs.”

Os três fazedores já tinham experiência de criar negócios – na altura tinham a Myiarts, uma plataforma que ligava artistas e entusiastas de arte.

Depois de a ideia surgir, foram convidados para a aceleradora Rockstart, na Holanda, uma das mais conhecidas na Europa central. No início deste ano, participaram ainda no desafio do City Football Group, o dono do Manchester City.

Mais ou menos por essa altura, os fundadores da startup portuguesa conheceram responsáveis do Benfica numa feira em Londres e fecharam a primeira parceria.

Após duas rondas de investimento, de 500 mil euros, a BBox Sports vai duplicar a equipa no próximo ano e receber mais dois milhões de euros.

A startup está a recrutar para perfis nas áreas de tecnologia, design (design de produto e UX/UI), marketing digital e gestão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão (E), fala durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento e Finanças, conjunta com a Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de janeiro de 2020. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Governo volta a negociar aumentos de 2020 com funcionários públicos

Greve escola função pública

Último ano da geringonça foi o de maior contestação na função pública

BBox Sports. Surpresas para fãs de futebol cabem numa caixa