Aceleração

Big Smart Cities dá 20 mil euros para tornar cidades mais inteligentes

Fotografia: Sara Matos
Fotografia: Sara Matos

Mobilidade, participação e inclusão, turismo, qualidade de vida (living) e ambiente são as cinco áreas de intervenção da edição de 2017

“Do PowerPoint para a realidade de negócio”. A Big Smart Cities volta para a quinta edição com prémios reforçados. A competição de empreendedorismo da Vodafone e da Ericsson vai oferecer 20 mil euros às startups que apresentarem as melhor soluções para tornar as cidades mais inteligentes. A iniciativa foi apresentada esta segunda-feira na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, que vai ser palco de experimentação das finalistas da Big Smart Cities.

Mobilidade, participação e inclusão, turismo, qualidade de vida (living) e ambiente são as cinco áreas de intervenção da edição de 2017 da Big Smart Cities, que é organizada pela Nova SBE. As startups poderão participar de duas formas: através da inscrição na internet, até 23 de maio, ou através das competições regionais.

As competições regionais serão realizadas em Coimbra (27 de abril), Braga (4 de maio), Évora (17 de maio) e Porto (23 de maio). Destas provas serão apuradas duas startups por região, que vão ter direito a um prémio de 500 euros.

Os 20 finalistas (10 apurados através inscrições online e outros 10 das provas regionais) serão anunciados a 30 de maio, seguindo-se a fase de pré-aceleração, que irá decorrer durante seis semanas. A final do Big Smart Cities está agendada para 11 de julho.

A startup vencedora vai receber 10 mil euros em prémio monetário, seis meses de aceleração no Vodafone Power Lab, visita ao centro da inovação da Ericsson (Suécia); os segundo e terceiro classificados vão receber 2500 euros em dinheiro, mais seis meses de aceleração no Vodafone Power Lab. Haverá ainda duas menções honrosas, que terão direito a aceleração no laboratório da Vodafone.

Mário Vaz, presidente executivo da Vodafone Portugal, espera que esta iniciativa possa contribuir para que Portugal “possa ressurgir nos novos tempos da economia digital”. O Big Smart Cities começou em 2013 e já permitiu a criação de 20 startups.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ana Avoila, coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Função Pública. Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Precários do Estado com menos de três anos de serviço vão ter concurso próprio

Maria Helena Rodrigues, presidente do STE

Precários: “Não é claro” como ficam trabalhadores mais qualificados, diz STE

Mario Draghi, no Fórum BCE 2017. Fotografia: Banco Central Europeu

Draghi. “A Europa precisa de um sucesso como o MIT”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Big Smart Cities dá 20 mil euros para tornar cidades mais inteligentes