Boonzi. O software português que ajuda a gerir o seu dinheiro

ng3093312

Em seis meses, um software feito para
resolver um problema de um dos criadores transformou-se numa empresa.
Lançado em Portugal no início de 2013, o Boonzi acaba de ser
traduzido para inglês e localizado para os mercados onde esta é a
língua dominante.

Trata-se de um software de gestão de finanças
pessoais, com a particularidade de importar automaticamente e de
forma não invasiva os extratos bancários do utilizador. O sucesso
em Portugal foi tão grande que a start-up que desenvolveu o programa
está já a negociar com vários bancos para obter financiamento que
permita dar o salto.

“Estamos a estudar as realidades do
Brasil, Espanha e Alemanha, e simultaneamente a procurar e a negociar
com parceiros que tenham facilidade em entrar nestes (ou noutros)
mercados”, explica ao Dinheiro Vivo Tiago Pinheiro, um dos
responsáveis pelo projeto. O software custa cerca de 40 euros, pode
ser adquirido em qualquer parte do mundo e é compatível com quase
todos os bancos que têm homebanking.

“Uma das principais funcionalidades é
a importação e categorização de forma rápida e segura das
transações bancárias, em menos de dois minutos”, explica Tiago.
“Permite ainda controlar e ter visibilidade sobre todas as contas
bancárias, cartões de crédito, empréstimos, etc. de forma
agregada, com a funcionalidade multiconta”, podendo definir
orçamentos para a categoria de gastos e agendar transações –
funcionalidades que faltavam a João Saleiro, cocriador, quando
tentava gerir as suas despesas mensais.

A Boonzi vendeu mais de quatro mil
cópias do software em seis meses e tem recebido muito feedback.
“Temos um cliente na área da consultoria, com bons rendimentos,
habituado a comer sempre fora, que descobriu que quase metade do seu
orçamento mensal era gasto em restaurantes e cafés”, conta Tiago.
Próximo passo? A aplicação móvel, para gerir as finanças no
smartphone.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Turismo vale 16% da atividade económica portuguesa

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Défice público cai 59% até ao final de outubro

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Boonzi. O software português que ajuda a gerir o seu dinheiro