doces

Brigadão. Um mimo de chocolate em forma de agradecimento

Luisa Werfel, uma 3 das proprietárias da loja Brigadão, no Mercado da Foz. Fotografia: Pedro Correia/Global Imagens
Luisa Werfel, uma 3 das proprietárias da loja Brigadão, no Mercado da Foz. Fotografia: Pedro Correia/Global Imagens

Uma marca inspirada no Porto e para o Porto é o projeto de três amigas que querem levar o brigadeiro ao mundo a partir da Foz

Brigadão. É a combinação do tradicional doce de chocolate com a noção de gratidão, lembrando “quão maravilhoso é receber um presente ou oferecer um mimo”. Assim nasce a loja mais doce do Mercado da Foz, no Porto, com uma oferta de mais de uma dezena de variedades de brigadeiros, bem como de uma série de “declinações”, como o brigadeiro de colher, que vem num frasco, a palha italiana (um brigadeiro com bolacha maria) ou os bolos de brigadeiro. Tudo em versão artesanal. Uma marca que se assume inspirada no Porto e para o Porto.

Este é um projeto idealizado e posto em prática a três: as irmãs Luiza e Marina Wertel, designer gráfica e arquiteta, juntaram-se a Mónica Monteiro, da área das vendas, e avançaram com o negócio. O objetivo foi sempre abrir algo com significado, e acabaram por se inspirarem no Brasil, de onde Luiza e Marina são oriundas.

“Quando se vai visitar alguém, nunca se chega de mãos vazias. Ou se leva flores ou chocolate. No Brasil, toda a gente faz brigadeiros, é aquele doce muito de família, que está presente em qualquer festa. É uma comida caseira que virou gourmet”, explica Luiza. A pouca expressão que o doce tem em Portugal serviu de mote à experiência: “A Mónica é excelente na cozinha, é capaz de estar horas em frente de um tacho. Começamos a fazer experiências, procurando os ingredientes e o ponto certo.”

A marca foi criada em março de 2016 e a loja aberta em dezembro. E porquê Brigadão? “Esquecemo-nos, no dia-a-dia, de agradecer aos que nos são mais próximos. E o nome surgiu da ideia de oferecer um mimo como forma de agradecimento”, diz a jovem designer, que tem a seu cargo o desenvolvimento de toda a linha gráfica da marca.

Expansão em estudo

Todos os dias, na pequena cozinha da loja no Mercado da Foz são feitos cerca de 400 brigadeiros dos mais variados sabores, do tradicional ao limão, do churro ao oreo, café, morango ou amendoim.
Além das vendas online, a Brigadão serve vários restaurantes no Porto, bem como disponibiliza serviço de catering para eventos vários. Uma área de aposta crescente, ao mesmo tempo que procuram o espaço certo para abrir uma loja Brigadão na Baixa do Porto ou, quem sabe, em Lisboa ou Londres, onde vive uma das sócias, Marina Wertel.

“A venda à unidade é ótima para dar a conhecer o produto, mas, para crescer, precisamos do catering e, por isso, temos os bolos de aniversário e outros. Os casamentos estão aí”, diz Mónica Monteiro. E o sucesso tem sido tal que já tiveram de contratar uma funcionária.

Cada brigadeiro vem numa embalagem própria que contém uma mensagem para fazer sorrir quem o comer. Em português mas, também, crescentemente em inglês, para dar resposta à curiosidade dos muitos turistas que passam pelo mercado da Foz. “A vida é curta, come a sobremesa primeiro”, “o mais fácil nem sempre é o melhor”, “Dá valor ao que não tem preço” ou “I hope your day is sweet like this brigadeiro” são exemplos das milhares de frases disponíveis.

Além disso, Luizaa Wertel desenvolveu uma linha de embalagens específica para take away, devidamente adaptada a ofertas, com votos de parabéns, mensagens de saudade ou alusivas a datas especiais. Para acompanhar, há cartões com mensagens como “o Porto lembra-me de ti”.

Crescimento – Cinco mil brigadeiros tem sido a média mensal da marca mas o objetivo é duplicar as vendas até ao final do ano. E no espaço de dois anos triplicá-las através da introdução de novos produtos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
Brigadão. Um mimo de chocolate em forma de agradecimento