Turismo

BTL. Startups queriam mais destaque

A Doinn é uma das startups presentes na BTL.
A Doinn é uma das startups presentes na BTL.

Fazedores lamentam que expositor de startups e inovação esteja num canto tão escondido da Bolsa de Turismo de Lisboa

É num canto no Pavilhão 3 da BTL, a Bolsa de Turismo de Lisboa, que se encontra o expositor das startups e inovação, onde 16 projetos de empreendedorismo da área do turismo, hotelaria e restauração apresentam ao público as suas soluções inovadoras. O espaço tem pouco destaque, com quatro fileiras de expositores, no lado oposto da entrada. “As pessoas só passam aqui quando vão buscar café ali à máquina”, conta Weronika Figueiredo, diretora financeira e responsável comercial da Doinn, uma das startups presentes.

A plataforma criada para melhorar a qualidade de limpeza dos apartamentos que recebem turistas participa na BTL para conhecer novos clientes, que são sobretudo os proprietários e os gestores de alojamento local “Não temos grandes expectativas em termos de números, mas se angariarmos 40 – 50 contactos para a nossa base de dado já seria bastante bom”, considera a responsável.

A Doinn só vai estar presente na feira até sexta-feira, durante a altura em que só os profissionais do setor a podem visitar. No fim de semana, a BTL abre as portas ao grande público e o perfil dos visitantes muda, mas nem por isso deixam de ser atrativos para algumas startups, como é o caso da recém-lançada Supper Stars. “Somos uma plataforma de experiências gastronómicas. Através de nós as pessoas podem ter a sua casa um chef reconhecido, a cozinhar para elas. Por estes dias queremos mostrar este serviço às empresas do setor, para conseguir parcerias, mas no fim de semana vai ser interessante dá-lo a conhecer ao consumidor final”, conta um dos cofundadores Tiago Ribeiro.

O serviço da Supper Stars custa a partir de 35 euros por pessoa, para um mínimo de seis pessoas. O projeto foi lançado durante a Web Summit, em novembro, e ficou online em janeiro. Nos seus poucos meses de vida tem já conseguido superar as expectativas. “Tem estado a correr muito bem. Estamos a ter boa recetividade. Agora vamos utilizar a BTL para crescer um pouco mais”, conta a cofundadora Margarida Correia, que também lamenta o facto de o expositor do empreendedorismo estar tão escondido. “Implica que tenhamos de ser nós a sair daqui e a andar pela feira a fazer contactos.”

Mas não é só no espaço dedicado à inovação que os projetos podem mostrar os seus produtos e serviços. Há várias startups que, ao longo do certame, se vão associar a iniciativas de outros expositores e vão aproveitar para, dessa forma, ter destaque. A Associação da Hotelaria, Restauração e similares (AHRESP) é uma das entidades que vai ceder o seu espaço a empresas que tenham soluções inovadoras para o setor. Na quinta-feira de manhã, no pequeno auditório do stand da AHRESP, vão estar startups como a Impactrip, a Homeit e a Climber Hotel. A associação também se juntou ao programa Shark Tank para, no dia da abertura, distinguir projetos que se tenham destacado no setor.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Trabalhos de descarga de contentores no Porto de Sines, 12 de fevereiro de 2020. TIAGO CANHOTO/LUSA

Exportações com quebra de 17% na primeira metade do ano

Isabel Camarinha, líder da CGTP, fala aos jornalistas após audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, em Lisboa, 30 de julho de 2020. (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

CGTP. Governo nega complemento a quem esteve em lay-off sem justificação

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

BTL. Startups queriam mais destaque