Fim de semana com miúdos

Bububox. Caixa surpresa e montra para marcas

Jurista criou projeto de caixas de subscrição com produtos para bebés entre um e 36 meses. Além de dar a conhecer produtos e marcas aos pais, Inês Melo quer transformar o projeto numa alternativa para as marcas se apresentarem aos clientes antes de entrarem no mercado português.

No dia em que ficou grávida do segundo filho, a jurista Inês Melo, 34 anos, já sabia o que a esperava. Não queria voltar a sentir-se sempre alerta para todas as novidades de produtos, brinquedos e alimentação para os seus filhos, e muito menos sentir que isso lhe roubava o tempo que tinha para eles. Foi nessa altura que, por acaso, se deteve num programa de televisão francês sobre negócios de caixas por subscrição.

À necessidade juntou-se a perceção de que, em Portugal, existiam negócios do mesmo tipo mas nenhum dedicado aos bebés. Decidiu passar da ideia à prática.

“Durante muitos anos fui o retrato da subscritora ideal para este tipo de caixas: enquanto trabalhei numa consultora, a minha vida era simplesmente caótica. Com um filho pequeno e o segundo a caminho, sobrava pouco tempo para explorar o que era mais adequado para a idade deles, o que havia de novo no mercado, marcas diferentes de alimentação. Aconselhava-me com pessoas mais próximas que tivessem filhos, mas, às tantas, acabamos por optar pelos produtos das farmácias e parafarmácias e pouco mais. A Bububox resolve isso: pode ir ao parque. Não se preocupe que nós pomos os produtos em sua casa para ir experimentando”, conta Inês ao Dinheiro Vivo.

“Daqui a dois anos, quero estar presente em todas as casas de pais de crianças entre 1 mês e 3 anos”, diz Inês Melo.

Por isso, a licença de maternidade da segunda filha serviu perfeitamente para tratar do que faltava: muita pesquisa, a que se seguiram dezenas de contactos e reuniões com marcas para encontrar os parceiros certos e avançar com o negócio. Há dois meses – e 6000 euros depois – criou a Bububox, um serviço de subscrição de caixas que, mensalmente, incluem cinco produtos – sempre diferentes – para bebés entre 1 mês e três anos (36 meses).

montagem“Cada caixa é adequada à idade de cada bebé e inclui sempre um postal com informação sobre o desenvolvimento do bebé naquele mês e uma sugestão de uma atividade para os pais fazerem com o filho. A informação inclui ainda detalhes sobre os cinco produtos que compõem a caixa e uma explicação das marcas e de cada um dos produtos, até para os pais perceberem quais são os benefícios de cada produto para os bebés”, pormenoriza.

Inês vê no negócio das caixas de subscrição muito mais do que uma surpresa mensal para pais e filhos: a ideia é que, a partir delas, as marcas parceiras possam apresentar novidades e, até, que a caixa de cartão possa servir de teste de validação de mercado a marcas e produtos que ainda não estejam em Portugal. É que, só no primeiro mês, a Bububox angariou 120 subscrições de pais de bebés de todas as idades disponíveis. As caixas são subscritas até ao dia 30 de cada mês e chegam a casa dos clientes a partir de dia 20 do mês seguinte. Uma caixa custa 25 euros, a subscrição de três vale 69 euros e a de seis, 132 euros (22 euros/caixa).

A curadoria e a adequação dos produtos a cada idade é feita com a ajuda de uma educadora de infância, que também ficou responsável pelos postais com os pormenores sobre o crescimento dos bebés em cada mês. E, como explica Inês, o processo não para. A Bububox está a preparar uma caixa especial para o Natal, tem já seis parceiros e está sempre à procura de mais e não esconde que os produtos portugueses e as marcas com preocupações de sustentabilidade ecológica são as preferidas. “Daqui a dois anos, quero estar presente em todas as casas de pais de crianças entre 1 mês e 3 anos”, diz Inês.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka assegura 68% das vendas; Pingo Doce 24%

Jerónimo Martins vai impugnar coima de 24 milhões na Polónia

Parque Eólico

EDP Renováveis vende sete parques eólicos à Finerge em Espanha

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

Bububox. Caixa surpresa e montra para marcas