fazedores

Casa da Moeda e Armilar investem 600 mil euros na WalliD

Filipe Veiga, fundador e presidente executivo da WalliD, durante o evento Open Source Lisbon, em 2018. (Fotografia: Open Source Lisbon)
Filipe Veiga, fundador e presidente executivo da WalliD, durante o evento Open Source Lisbon, em 2018. (Fotografia: Open Source Lisbon)

Startup portuguesa completa ronda seed graças a solução com tecnologia blockchain para evitar violação de dados massiva e fraudes de identidade.

A WalliD desenvolveu uma solução de autenticação e identificação online baseada em blockchain. Graças a este produto, esta startup portuguesa fechou a primeira ronda de investimento, seed, no valor de 600 mil euros. A operação foi liderada pela Armular Venture Partners e que contou com a participação da Imprensa Nacional – Casa da Moeda. Este montante vai permitir à WalliD desenvolver a estratégia de internacionalização, segundo anúncio feito esta segunda-feira.

“Nos últimos meses, desenvolvemos o protocolo blockchain e uma solução com funcionalidades básicas (minimum viable product) para que utilizadores pudessem guardar e partilhar a sua identificação e para que os serviços online que pedem identificação pudessem processar esta informação instantaneamente e sem barreiras. Chegámos agora a uma fase de maturidade e a WalliD conta agora com um produto capaz de modificar totalmente a certificação de identidade digital”, assinala Filipe Veiga, fundador e presidente executivo da WalliD.

Através da plataforma portuguesa, um utilizador pode guardar os documentos de identificação na respetiva carteira digital e partilhar essa informação com serviços online, dando-lhes uma prova criptográfica da sua identidade.

Ao mesmo tempo, as empresas e organizações podem integrar os produtos e serviços da WalliD nos seus processos internos de certificação de identidade, de forma a entrar em conformidade com um contexto de regulação cada vez mais exigente e tendo assim a possibilidade de identificar os seus clientes ao mesmo tempo que reduzem os custos tradicionais deste tipo de processos.

A Casa da Moeda, a entidade que emite o cartão do cidadão, já utiliza o sistema da WalliD. Desta forma, vai poder “integrar a tecnologia por detrás dos certificados digitais na plataforma da WalliD e testar o protocolo no mercado português”.

A startup portuguesa foi criada em 2018 e foi incubada na Caixa Mágica Software, spin-off do ISCTE para novas empresas. A WalliD vai estar no dia 7 de novembro em exibição na Web Summit, ao abrigo do programa de startup Beta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
Casa da Moeda e Armilar investem 600 mil euros na WalliD