Fazedores

Chic By Choice: Vestir um Valentino pode aumentar o PIB nacional

ng3395073

Filipa Neto, 24 anos, não fez contas mas tem a certeza de que os vestidos mais caros que tem no armário são aqueles que menos usa. Juntou esse desperdício ao de dezenas de amigas - incluindo a sócia, Lara Vidreiro - e pensou numa alternativa ao investimento em roupa de cerimónia para ocasiões especiais. Não querendo abdicar dos vestidos exclusivos, restava-lhes diminuir o risco: este ano, as duas criaram a <a target="_blank" href="http://www.chic-by-choice.com">Chic By Choice</a>, uma empresa portuguesa lançada em Inglaterra, França e Alemanha, que "aluga o que não se pode comprar".

Desde o primeiro dia, o foco foi o mercado externo, sendo que
neste momento enviam vestidos para 15 países europeus. “A ideia
surgiu ao percebermos que, tal como muitas mulheres, investíamos
demasiado em roupa para eventos especiais que acabávamos por usar
uma única vez. Gostávamos de peças das melhores marcas, exclusivas
e de qualidade e, por isso, criámos uma solução que garantia tudo
isto, mas a um preço mais acessível”, conta Filipa.

O primeiro passo foi começar uma rede de clientes. A seleção de
vestidos inclui algumas das marcas mundiais mais aspiracionais como
Dior, Valentino, Elie Saab, Dolce Gabbana e Alberta Ferretti, entre
muitas outras. Step-by-step, os clientes podem definir o seu estilo
com um StyleProfile, navegar pela seleção de vestidos de luxo,
escolher a data de entrega, reservar o período de aluguer (de quatro
ou oito dias) e selecionar o tamanho – um segundo tamanho gratuito
está incluído para garantir o fitting perfeito. O pedido é
entregue no endereço fornecido e a devolução, limpeza e pequenas
reparações estão incluídas no serviço.

Para arrancarem com o negócio, Filipa e Lara criaram um conceito
que consideram disruptivo e trabalharam nele três meses antes do
lançamento. “Apresentámos um modelo de seleção, inventário e
distribuição nunca antes aplicado a um site de aluguer.” Para o
criarem, fizeram parcerias com algumas das melhores boutiques de luxo
europeias, armazéns e marcas, “o que permitiu tornar o inventário
mais flexível e com menor risco”, explica Filipa.

“Os negócios online vivem de velocidade. Foram criadas todas as
condições para que avançássemos de imediato. Foi importante
encontrar investidores que estivessem disponíveis para um go to
market rápido e que nos garantissem escalabilidade da operação.
Mas, acima de tudo, é uma questão de pessoas, de confiança e de
fit”, diz Filipa Neto. Com um investimento angariado de 520 mil
euros através da Faber Ventures – fundo de investimento
especializado em produtos digitais – e de duas venture capitals, a
Portugal Ventures e o The Edge Group, a Chic By Choice prevê ter o
retorno do investimento no terceiro ano de atividade, tendo como base
os primeiros três mercados europeus com maiores hábitos de consumo
online. Tudo para cumprir a ambição de serem uma referência na
categoria de e-commerce. “O nosso objetivo é sermos líderes no
mercado de aluguer de artigos de luxo europeu, para já.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka assegura 68% das vendas; Pingo Doce 24%

Jerónimo Martins vai impugnar coima de 24 milhões na Polónia

Parque Eólico

EDP Renováveis vende sete parques eólicos à Finerge em Espanha

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

Chic By Choice: Vestir um Valentino pode aumentar o PIB nacional