empreendedorismo social

Chivas tem um milhão para as startups que resolvem problemas sociais

Academia de Código representou Portugal na final do Chivas Venture em 2018. Fotografia: DR
Academia de Código representou Portugal na final do Chivas Venture em 2018. Fotografia: DR

As startups que querem resolver problemas sociais podem contar com um milhão de dólares (863 mil euros) para resolver problemas sociais. Está de volta o fundo Chivas Venture, que já está a aceitar candidaturas para a quinta edição deste concurso.

O Chivas Venture vai começar nas próximas semanas, com as eliminatórias locais, uma delas em Portugal. O vencedor de cada país irá depois viajar para o Reino Unido para participar num programa de aceleração exclusivo, organizado pelo clube The Conduit, que serve de lar para uma comunidade diversificada de pessoas que são apaixonadas por mudanças sociais. O programa intensivo incluirá formação individual e um conjunto de sessões de aprendizagem para empreendedores sociais.

Depois do programa de aceleração, irá decorrer uma votação online, em que serão distribuídos os primeiros 100.000 dólares. O Chivas Venture 2019 vai terminar com uma série de apresentações na final global que ser irá realizar na Europa, onde os finalistas irão disputar o restante montante do fundo de um milhão de dólares.

As inscrições podem ser feitas através desta página e são admitidas startups com receitas anuais abaixo de 1,5 milhões de dólares.

A edição de 2018 do Chivas Venture em Portugal foi ganha pela Academia de Código, startup que dá formações de programação para integrar pessoas desempregadas no mercado de trabalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Chivas tem um milhão para as startups que resolvem problemas sociais