Empresas

Compare o mercado. Balança para o melhor seguro

Rafael Lemos diz que o serviço da Compare o Mercado funciona para as massas e com grande volume de utilizadores.
Compare o Mercado."> Rafael Lemos diz que o serviço da Compare o Mercado funciona para as massas e com grande volume de utilizadores.

A ideia foi importada de Londres, onde Rafael Lemos e o sócio, Manuel Mello, viveram. "Quando voltei queria comprar um seguro automóvel e notei que não havia plataformas de comparação de preços. Tive de procurar companhia a companhia e ligar a mediadores. Todo o processo foi moroso comparativamente àquilo a que já estávamos habituados", conta Rafael, a propósito do momento em que surgiu a ideia de negócio que levou à criação da Compare o Mercado.

Decidiram desenvolver uma plataforma com base num pressuposto simples: ajudar as pessoas a perceber quais as melhores ofertas de seguros, créditos e, mais recentemente, na área das telecomunicações.

“Como é que funciona?” Rafael pega em papel e caneta e começa a desenhar. Três cabeças do lado direito que representam os clientes, um círculo grande do lado esquerdo em representação da plataforma. “O que fazemos é disponibilizar gratuitamente ferramentas de comparação: trazemos tráfego e capacitamos os utilizadores, que ficam mais informados acerca do que existe no mercado.” A partir do momento em que captam tráfego para o site, aos utilizadores são pedidos dados pessoais. É aí que começa a segunda área de negócio da empresa.

“A ideia é recolher dados das pessoas que usam a ferramenta gratuitamente para compararem dados do mercado e distribuí-los pela rede de seguradoras.” A distribuição não é feita ao acaso, assegura Rafael. As parcerias B2B (business to business) baseiam-se em critérios predefinidos pelos próprios mediadores e pelas seguradoras. “Fazemos a ponte entre quem está a procurar e quem está a vender”, diz o cofundador da Compare o Mercado, esclarecendo a base do negócio.

“A ideia é conseguirmos pôr em contacto estas pessoas com empresas, a nível local.” Depois de já ter dado ao consumidor uma ideia dos preços, para que possa perceber qual é o melhor preço do mercado do produto que procura, os pedidos são reencaminhados, com base em critérios como o código postal, a ideia do cliente e o tipo de produto procurado.

“A pessoa pode comparar os preços e as características do produto e é contactada, idealmente, por alguém que esteja perto do local e com quem se possa encontrar. Se eu sou mediador de seguros não vida – carro, saúde, etc. – não vale a pena enviar a esse mediador pessoas que querem produtos vida, como PPR. Este é um tema que influencia a vida de muita gente“, avalia Rafael.

Com um investimento que preferem não adiantar mas que terá ultrapassado algumas centenas de milhares de euros, a Compare o Mercado tem, além de Rafael e Manuel, um terceiro sócio que entrou com um terço do capital.

Com 20 mil consultas online a cada mês, a relação com os visitantes da plataforma possibilitam à startup proporcionar cerca de 2000 contactos entre cliente e fornecedor por mês. Na lista de parceiros estão seguradoras como Liberty, AXA, Vitória, Groupama, Mapfre e ACP, e o próximo passo da empresa deverá passar por acordos de exclusividade que permitam aos clientes que compram produtos como seguros e créditos ter condições especiais sempre e quando a compra for feita através da plataforma portuguesa.

É um serviço que funciona para as massas. É preciso ter um grande volume de utilizadores para que faça sentido“, diz Rafael, sublinhando as semelhanças entre o Compare o Mercado e produtos dedicados a outros mercados, como o caso do Skyscanner, que permite comparar preços de viagens. E se entre os produtos mais procurados está a comparação dos preços das telecomunicações, a empresa prepara-se para investir em novos produtos, como seguros multirriscos, de running e de caça, de maneira a aumentar a oferta e, com isso, multiplicar o tráfego. É que sempre que um utilizador se inscreve e compara os preços e as condições dos produtos disponíveis na plataforma, a empresa está a fazer negócio: os pequenos mediadores pagam à cabeça pelos contactos e os grandes pagam uma comissão de entre 5% e 20% de cada vez que fazem negócio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Compare o mercado. Balança para o melhor seguro