Prémio Inovação NOS

Critical Materials. Aprender com o passado para antecipar o futuro

Software nacional poupa gastos em manutenção e segurança.
Software nacional poupa gastos em manutenção e segurança.

Empresa criou software Proddia, que permite às empresas poupar dinheiro através da análise e antevisão de riscos nos materiais e equipamentos

As pás dos aerogeradores podem contar uma história. Duvida? Com recurso à tecnologia desenvolvida pela Critical Materials é possível saber exatamente onde estão os defeitos das pás e até prever o aparecimento dos mesmos, de maneira a poder antecipar uma manutenção mais demorada ou dispendiosa. Com a “magia” do software, dizem, a empresa portuguesa analisa o passado e o presente e antecipa o futuro. Uma espécie de bola de cristal para o que aí vem, com recurso ao que passou.

“Na prática, desenvolvemos a tecnologia que permite saber o estado dos materiais e de estruturas quando eles estão em serviço, com aplicações a vários sectores, em particular na aeronáutica e Defesa mas também na energia”, esclarece Gustavo Dias, cofundador e CEO da empresa.

Fundada em 2009, a Critical Materials nasceu de uma ideia que vem da época académica dos seus fundadores. “O algoritmo que está por trás do Proddia [app desenvolvida pela empresa que concorre ao PIN] começou a ser desenvolvido algures em 2002. Portanto, muita coisa já evoluiu. O início foi muito semelhante ao de qualquer startup. Um algoritmo ainda não é um produto e, por isso, foi necessário pegar nesse conhecimento e transformá-lo num produto adequado ao dia-a-dia dos clientes e dos parceiros”, explica Gustavo sobre o software aplicado sobretudo a projetos de aeronáutica, espaço, defesa e energia, sobretudo à geração eólica em terra e no mar.

Com sede em Guimarães e presença comercial em mercados como Reino Unido e Brasil, toda a engenharia da empresa é feita em Portugal por 25 trabalhadores da Critical Materials, entre engenheiros mecânicos, de materiais, de software, físicos e matemáticos. Em 2014, a empresa faturou um milhão de euros, um crescimento de 12% face aos resultados do ano anterior. Os planos passam por crescer, a partir de Guimarães, para o mundo inteiro.

“O nicho de mercado em que estamos tem grande potencialidade de crescimento, exatamente porque estamos a poupar dinheiro às pessoas, aos operadores que têm equipamentos muito caros de adquirir e de manter. Este tipo de tecnologia traz inteligência a todos os processos de manutenção“, justifica Gustavo Dias.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

O presidente do Concelho de Administração do banco BPI, Pablo Forero. TIAGO PETINGA/LUSA

Moody’s baixa rating do BPI para lixo

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Critical Materials. Aprender com o passado para antecipar o futuro