Comissão Europeia

Data Pitch: Tratamento de dados pode valer 100 mil euros por startup

proteção de dados

Programa da Comissão Europeia, em parceria com a Beta-i, coloca startups a tratar os dados de grandes empresas.

O programa de aceleração de tratamento de dados Data Pitch está de volta. A iniciativa patrocinada pela União Europeia, e que conta com a associação portuguesa Beta-i como um dos maiores parceiros, vai acelerar as startups europeias que consigam responder a mais de uma dezena de desafios, desde a melhoria de eficiência no transporte e sistemas de logística, até previsão de tendências do retalho, infertilidade masculina ou análise de fissuras em ossos. Os melhores projetos podem mesmo receber um investimento de 100 mil euros.

“Os maiores inovadores europeus encontram aqui uma oportunidade para criar diversas soluções para diferentes desafios da indústria, que vão desde a privacidade dos dados pessoais à redução da fraude nos sistemas financeiros, passando pelo combate às alterações climáticas. Este programa visa ajudar a indústria Europeia, recorrendo a ferramentas e serviços gerados pelos dados da própria indústria, com a ajuda de algumas das mais capazes startups do continente”, assinala Ricardo Marvão, cofundador da Beta-i, em nota enviada às redações na terça-feira.

A diretora de projeto do Data Pitch, Elena Simperl, lembra que o principal objetivo deste programa passa por “encorajar a circulação de dados entre diferentes entidades, gerando todo um ecossistema de inovação, onde várias organizações trabalham de perto com startups ágeis, de forma a aprenderem uns com os outros, e recorrendo aos dados como algo que os ajuda a resolver os problemas”.

As inscrições para o Data Pitch estão abertas até 2 de outubro e podem ser feitas através desta página. Poderão concorrer as startups registadas como PME junto da Comissão Europeia ou num país associado ao programa de financiamento Horizonte 2020. As empresas terão ainda de “demonstrar ter capacidade de aceder de forma segura a dados de terceiros, fazendo prova de como vão utilizar os dados a que tenham acesso”.

Além do investimento potencial de 100 mil euros, a fundo perdido e sem tomada de capital, as melhores startups poderão beneficiar da mentoria de especialistas, oportunidades de investimento e acesso a dados gerados por grandes empresas, como Sonae, Altice, José de Mello Saúde, Deutsche Bahn e Konica Minolta.

O Data Pitch, que arrancou em 2017, conta com fundos europeus do programa Horizonte 2020, que disponibiliza 4,8 milhões de euros para 50 startups e PMEs ao longo dos próximos três anos, neste programa específico. Bruxelas, no total, tem 7,1 milhões de euros para a inovação no setor do tratamento de dados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

A área alimentar gerou vendas históricas de quatro mil milhões de euros. Fotografia: D.R.

Sonae atinge vendas recorde de 6,3 mil milhões com impulso do Natal

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Data Pitch: Tratamento de dados pode valer 100 mil euros por startup