Aceleração

Data Pitch. União Europeia financia startups com novo acelerador de dados

O programa vai ser coordenado pela aceleradora portuguesa Beta-i, em conjunto com outras entidades.

Foi esta segunda-feira lançado o Data Pitch, uma aceleradora europeia para startups que trabalhem dados gerados por grandes empresas. A iniciativa conta com fundos europeus do programa Horizonte 2020, que disponibiliza 4,8 milhões de euros para 50 startups e PMEs ao longo dos próximos três anos, neste programa específico. A Comissão Europeia indica que, no total, tem 7,1 milhões de euros para a inovação no setor do tratamento de dados.

“O Data Pitch vai criar um ecossistema europeu para a inovação com base em dados. Nesta era digital, toda e qualquer organização, pública ou privada, grande ou pequena, gera e controla uma quantidade substancial de dados. Mas nem todos conseguem usar esses dados de forma efetiva”, explica, em comunicado Elena Simperl, diretora de projeto da iniciativa. “Com o Data Pitch vamos recorrer a um modelo já testado de inovação aberta e aplica-lo a uma escala europeia, associando algumas das mentes empresariais mais criativas em 28 países, enquanto os ajudamos a resolver desafios concretos que tenham impacto na economia, ambiente, ciência, e que sejam relevantes para a sociedade em geral”.

Leia aqui: Startupbootcamp Amesterdão abre portas à aceleração da Porter

O Data Pitch vai ser coordenado pela aceleradora portuguesa Beta-i, em conjunto com a Universidade de Southampton, o Open Data Institute e a plataforma francesa de dados Dawex. “Este acelerador europeu congrega um vasto e diverso lote de indústrias, muito importantes para uma organização como a Beta-i, e nós vemos esta oportunidade como uma hipótese para recorrer à nossa experiência, enquanto expandimos o nosso know-how e metodologias, ao trabalhar com startups de todos os cantos do continente,” assume Ricardo Marvão, cofundador da Beta-i.

Não é a primeira vez que a União Europeia (UE) financia um programa específico para startups que trabalham com dados. Em 2014 foi lançado o Odine – Open Data Incubator Europe, com um apoio semelhante. Durante três anos, apoiou 57 projetos que geraram 16 milhões de euros em vendas e criaram 268 empregos.

O Data Pitch vai ter uma primeira fase online e offline, com recurso a vários desafios na primavera de 2017, em torno de temas como smart cities, saúde e bem estar, ou alimentação e agricultura. As candidaturas para a iniciativa em si arrancam depois a 1 de julho, com a seleção a ser feita em outubro e novembro. O início do programa de aceleração está marcado para dezembro. Os projetos selecionados terão acesso a dados de grandes empresas públicas e privadas, bem com a mais de 100 mil euros de financiamento, mentoria e oportunidades de investimento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Data Pitch. União Europeia financia startups com novo acelerador de dados