Tecnologia

DefinedCrowd lança no mercado plataforma de inteligência artificial

Daniela Braga lidera a DefinedCrowd, startup que recolhe dados para serem usados em máquinas com inteligência artificial. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens
Daniela Braga lidera a DefinedCrowd, startup que recolhe dados para serem usados em máquinas com inteligência artificial. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Dados recolhidos pela plataforma portuguesa são usados, por exemplo, para assistentes pessoais de eletrodomésticos.

A startup portuguesa DefinedCrowd lançou esta terça-feira o seu produto de software-as-a-service para recolher, enriquecer e estruturar dados para inteligência artificial. A empresa liderada por Daniela Braga pretende resolver a falha de mercado na obtenção de dados de alta qualidade para treinar, de forma rápida e escalável, modelos de inteligência artificial e machine learning. Estes dados são usados, por exemplo, nos assistentes pessoais de eletrodomésticos.

“É um grande marco para a DefinedCrowd. Depois de dois anos de trabalho nesta solução, é com muito orgulho que lançamos a nossa plataforma SaaS para o mercado, que inclui funcionalidades desenvolvidas para facilitar a vida dos data scientists“, assinala Daniela Braga em nota enviada às redações.

Os utilizadores da DefinedCrowd, com esta solução, “podem controlar o progresso através de métricas de qualidade e performance. Os clientes conseguem ainda aceder aos dados de alta qualidade através de uma API, que liga diretamente a solução às infraestruturas dos utilizadores, permitindo um fluxo permanente de dados durante as várias etapas dos sistemas – desde o model bootstrapping até ao ciclo de feedback e testes”, assinala a startup.

Fundada em agosto de 2015, a DefinedCrowd conta com clientes como IBM, Accenture e Nikon. A plataforma portuguesa está atualmente avaliada em 25 milhões de dólares (20,4 milhões de euros, segundo o câmbio atual).

Recorde aqui a entrevista de Daniela Braga ao Dinheiro Vivo e que foi publicada no final de julho de 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Franceses, britânicos e italianos foram os que mais pediram o estatuto de residente não habitual. Fotografia: D.R.

Residentes não habituais aumentaram 83% no último ano e meio

O turismo está a impulsionar o investimento hoteleiro no país. Fotografia: D.R.

Vão abrir portas mais 44 hotéis em 2019

António Pires de Lima

Nova plataforma quer colocar gestores experientes ao serviço das empresas

Outros conteúdos GMG
DefinedCrowd lança no mercado plataforma de inteligência artificial