Tecnologia

DefinedCrowd lança no mercado plataforma de inteligência artificial

Daniela Braga lidera a DefinedCrowd, startup que recolhe dados para serem usados em máquinas com inteligência artificial. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens
Daniela Braga lidera a DefinedCrowd, startup que recolhe dados para serem usados em máquinas com inteligência artificial. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Dados recolhidos pela plataforma portuguesa são usados, por exemplo, para assistentes pessoais de eletrodomésticos.

A startup portuguesa DefinedCrowd lançou esta terça-feira o seu produto de software-as-a-service para recolher, enriquecer e estruturar dados para inteligência artificial. A empresa liderada por Daniela Braga pretende resolver a falha de mercado na obtenção de dados de alta qualidade para treinar, de forma rápida e escalável, modelos de inteligência artificial e machine learning. Estes dados são usados, por exemplo, nos assistentes pessoais de eletrodomésticos.

“É um grande marco para a DefinedCrowd. Depois de dois anos de trabalho nesta solução, é com muito orgulho que lançamos a nossa plataforma SaaS para o mercado, que inclui funcionalidades desenvolvidas para facilitar a vida dos data scientists“, assinala Daniela Braga em nota enviada às redações.

Os utilizadores da DefinedCrowd, com esta solução, “podem controlar o progresso através de métricas de qualidade e performance. Os clientes conseguem ainda aceder aos dados de alta qualidade através de uma API, que liga diretamente a solução às infraestruturas dos utilizadores, permitindo um fluxo permanente de dados durante as várias etapas dos sistemas – desde o model bootstrapping até ao ciclo de feedback e testes”, assinala a startup.

Fundada em agosto de 2015, a DefinedCrowd conta com clientes como IBM, Accenture e Nikon. A plataforma portuguesa está atualmente avaliada em 25 milhões de dólares (20,4 milhões de euros, segundo o câmbio atual).

Recorde aqui a entrevista de Daniela Braga ao Dinheiro Vivo e que foi publicada no final de julho de 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
DefinedCrowd lança no mercado plataforma de inteligência artificial