Fazedores

Dois portugueses lançam “LinkedIn para influenciadores”

Francisco Lopes é um dos fundadores da Link. (Fotografia cedida pela Link)
Francisco Lopes é um dos fundadores da Link. (Fotografia cedida pela Link)

Link é uma rede social para criadores de conteúdos digitais. A ideia nasceu nos Estados Unidos e já está em fase beta para pessoas selecionadas.

Dois portugueses estão a lançar, nos Estados Unidos, uma rede social para os criadores de conteúdos digitais. Francisco Lopes e Francisco Schmidberger são os fundadores desta espécie de “LinkedIn para influenciadores”. Esta plataforma tem estado a ser discretamente desenvolvida desde o ano passado e está a começar a ser disponibilizada para pessoas selecionadas desde o final de janeiro. O lançamento desta aplicação para smartphones está marcado para meados de 2020.

“Quem cria estes conteúdos não tem grandes orçamentos. Os influenciadores fazem tudo por eles próprios. Ao entrarem em contacto uns com os outros, podem criar sinergias. Um comediante pode juntar-se a um mágico, por exemplo. Além de poderem gerar novas ideias, se as pessoas estiverem juntas num vídeo conseguem gerar maior alcance sem gastar dinheiro. É a forma de crescimento mais orgânica nas redes sociais”, explica Francisco Lopes, 27 anos, ao Dinheiro Vivo.

Além de a Link permitir parcerias entre estes criadores de conteúdos, as marcas também vão poder juntar-se à plataforma e poderão patrocinar os influenciadores. Só nos Estados Unidos, este mercado já vale cinco mil milhões de dólares (4,6 mil milhões de euros), “dez vezes mais do que há apenas três anos”, destaca o fazedor português.

E os principais influenciadores em Portugal são…

As redes sociais, hoje em dia, já não servem apenas para conectar as pessoas. Passaram a ser um lugar para consumir conteúdo. Graças a isso, os jovens da ‘geração Z’ (nascidos entre 1995 e 2012) chegam a consumir 68 pequenos vídeos (com poucos segundos) por dia nestas plataformas.”

Francisco Lopes está em Los Angeles, nos Estados Unidos, há vários meses para criar esta plataforma. Graças ao primeiro investimento em pre-seed, de vários business angels, a Link já conta com uma equipa de nove pessoas, entre programadores e designers.

Experiência de fazedor

Só que esta não é a primeira experiência do fazedor português no mundo das startups. Em 2013, Francisco Lopes, então a frequentar o curso de Engenharia Física no Instituto Superior Técnico, foi um dos fundadores do Portal da Sabedoria. Nesta plataforma educativa, os melhores universitários de Ciência e Economia criavam conteúdos em vídeo para ajudar outros alunos.

Dois anos depois, em 2015, Francisco Lopes acabaria por sair do projeto e entrou na consultora Boston Consulting Group. “Só aí é que me apercebi de que tínhamos feito algumas coisas menos bem no Portal da Sabedoria por falta de conhecimento e de experiência. Não conseguimos monetizar o e-learning porque percebemos que em Portugal não havia possibilidade de pagar pelo conteúdo.”

Francisco Lopes tirou um MBA na universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Da experiência com o Portal da Sabedoria resultaram várias lições.

Primetag. O poder para os influenciadores terem melhores resultados

“Aprendi como construir uma equipa e criar dinâmicas, motivar pessoas, ter possibilidade de captar talento sem ter muitos recursos financeiros para o fazer, montar toda a estrutura e trabalhar em várias frentes.”

Ainda neste percurso, Francisco Lopes trabalhou durante alguns meses num fundo de capital de risco, em 2018. Chegou a ser investidor, em fase seed, da Firefly, uma startup que tem conseguido destaque nos Estados Unidos por colocar publicidade personalizada em ecrãs instalados no tejadilho dos motoristas das plataformas do tipo Uber e Lyft. Parte das receitas publicitárias vão parar à carteira dos mesmos motoristas. Esta startup, entretanto, fechou uma série A em maio de 2019, no valor de 30 milhões de dólares, e foi considerada a melhor inovação do ano pela revista Time.

Em relação à Link, espera-se que esta plataforma levante a sua ronda seed no terceiro trimestre deste ano.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Dois portugueses lançam “LinkedIn para influenciadores”