Aceleração

Duas startups portuguesas no acelerador da Makro

Tanya Kopps é a CEO da Makro Portugal. 
Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens
Tanya Kopps é a CEO da Makro Portugal. Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens

Sensei e Sensefinity foram apuradas para a fase final da terceira edição do programa da Metro.

Há duas startups de Portugal no programa internacional de aceleração de empresas da Metro, a gigante internacional de retalho que detém a cadeia Makro. Nas nove finalistas, de sete países diferentes, os portugueses são os únicos que estão representados duas vezes: com a Sensei, um projeto de captura e análise de informação de retalho offline com a ajuda de dados de imagem existentes, e com a Sensefinity, com sensores inteligentes apoiados em cloud, para monitorizar dados de produto e logística em toda a cadeia de fornecimento.

As nove equipas vão estar durante três meses em Berlim, a trabalhar com mais de 100 mentores, entre os quais representantes da Techstars, uma das mais reconhecidas aceleradoras a nível mundial e parceira da Metro na iniciativa. As startups farão depois a sua apresentação final em setembro e poderão receber até 120 mil euros de investimento. “Acreditamos que estas startups promissoras oferecem precisamente as soluções que traders e retalhistas offline necessitam para crescer também no mundo digital e ir ao encontro das necessidades dos seus clientes”, indica em comunicado Andreas Wuerfel, Diretor da Global Innovation Community da Metro.

A multinacional indica que as startups já aceleradas pela sua iniciativa têm registado bons indicadores de sucesso, com os participantes da primeira edição a terem já atraído investimentos superiores a 52 milhões de dólares (46,69 milhões de euros).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Duas startups portuguesas no acelerador da Makro