Aceleração

Duas startups portuguesas no acelerador da Makro

Tanya Kopps é a CEO da Makro Portugal. 
Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens
Tanya Kopps é a CEO da Makro Portugal. Fotografia: Carlos Manuel Martins/Global Imagens

Sensei e Sensefinity foram apuradas para a fase final da terceira edição do programa da Metro.

Há duas startups de Portugal no programa internacional de aceleração de empresas da Metro, a gigante internacional de retalho que detém a cadeia Makro. Nas nove finalistas, de sete países diferentes, os portugueses são os únicos que estão representados duas vezes: com a Sensei, um projeto de captura e análise de informação de retalho offline com a ajuda de dados de imagem existentes, e com a Sensefinity, com sensores inteligentes apoiados em cloud, para monitorizar dados de produto e logística em toda a cadeia de fornecimento.

As nove equipas vão estar durante três meses em Berlim, a trabalhar com mais de 100 mentores, entre os quais representantes da Techstars, uma das mais reconhecidas aceleradoras a nível mundial e parceira da Metro na iniciativa. As startups farão depois a sua apresentação final em setembro e poderão receber até 120 mil euros de investimento. “Acreditamos que estas startups promissoras oferecem precisamente as soluções que traders e retalhistas offline necessitam para crescer também no mundo digital e ir ao encontro das necessidades dos seus clientes”, indica em comunicado Andreas Wuerfel, Diretor da Global Innovation Community da Metro.

A multinacional indica que as startups já aceleradas pela sua iniciativa têm registado bons indicadores de sucesso, com os participantes da primeira edição a terem já atraído investimentos superiores a 52 milhões de dólares (46,69 milhões de euros).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Cerimónia da assinatura da venda do Novo Banco à Lone Star, no Banco de Portugal. Luis Máximo dos Santos, Donald Quintin e Carlos Costa.

( Filipe Amorim / Global Imagens )

Máximo dos Santos: “Venda do Novo Banco evitou sério prejuízo”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Duas startups portuguesas no acelerador da Makro