Aceleração

Duas startups portuguesas no acelerador da Repsol

Inanoenergy e a C2C- New Cap são as duas portuguesas das oito vencedoras do Fundo de Empreendedores.

A Fundação Repsol recebeu 354 candidaturas para o seu Fundo de Empreendedores, um programa de aceleração na área da energia e da mobilidade. A organização escolheu oito vencedoras e, entre as empresas selecionadas, há duas startups portuguesas: a Inanoenergy e a C2C- New Cap.

As equipas terão direito a financiamento a fundo perdido, acesso a mentores e a investidores e formação especializada. Ao longo dos próximos meses, receberão dois mil euros por mês, durante um ano. No total, para esta iniciativa, a Repsol tem 144 mil euros disponíveis.

As oito empresas estão selecionadas em duas categorias: ideias que estão ainda em fase de maturação, onde se inclui a Inanoenergy, uma iniciativa de microgeradores autónomos que aproveitam a energia mecânica e térmica desperdiçada no dia-a-dia para criar eletricidade na indústria; e projetos empresariais, já com modelos de negócio ou tecnologias já validades, onde se insere a C2C- New Cap, que constrói super-baterias para armazenamento de energia baseadas em óxidos metálicos, que permite armazenar mais energia de forma mais segura.

Para além das startups portuguesas, foram ainda selecionadas as empresas: Bulgeone (Cantabria), Finboot (Barcelona), Manganese Flow Batteries (Reino Unido), CE-BOND (Noruega), Muon systems (Bilbao) e Place to plug (Tarragona).

O Fundo de Empreendedores da Fundação Repsol vai já na sexta edição e, desde 2011, já apoiou 36 startups, às quais se juntam as oito vencedoras desta edição. No total, as empresas aceleradas já receberam mais de 16,5 milhões de euros, em investimento público e privado, realizaram mais de 140 protótipos e, em 2016, faturaram cerca de dois milhões de euros, indica a empresa em comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Artur Machado/Global Imagens

Excesso de cabrito e leitão não faz baixar o preço na Páscoa

Fernando Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos. TIAGO PETINGA/LUSA

Bancos dizem que condições das linhas de crédito foram definidas pelo Governo

Fotografia: Regis Duvignau/Reuters

Quase 32 mil empresas recorrem ao lay-off. 552 mil trabalhadores em casa

Duas startups portuguesas no acelerador da Repsol