ecologia

Ecobook. Provavelmente, o último caderno que vai comprar na vida

ng4000707

Gastava demasiado papel a estudar matemática no 12.º ano e decidiu procurar uma solução para diminuir o desperdício. Com falta de opções no mercado, Pedro Lopes decidiu tratar ele do assunto.

A ideia deste negócio surgiu como surgem a maioria das ideias de negócio: por necessidade. Pedro Lopes, 18 anos, escrevia e apagava demasiadas vezes os cadernos de matemática, ao ponto de estes ficarem tão negros do carvão e manchados da borracha, que era difícil para o estudante conseguir perceber os próprios apontamentos.

À procura de uma alternativa que lhe permitisse escrever e apagar os exercícios tantas vezes quanto necessárias, começou a estudar num quadro branco, pendurado na parede do quarto de sua casa. A solução seria perfeita, não fosse a impossibilidade de levar o quadro para a aula para tirar as dúvidas com a professora. “Estudar assim era eficaz para mim mas muito cansativo porque tinha que estudar em pé. Além disso, era impossível levar os exercícios para que a professora os corrigisse na aula. Não podia levar o quadro. Comecei a trabalhar numa solução que pudesse transformar aquele quadro branco em algo portátil”, conta ao Dinheiro Vivo o estudante do 1.o ano de Engenharia Eletrotécnica, na FEUP.

Ainda no 12.º ano, começou, em casa, a pensar e a pôr em prática o protótipo do primeiro Ecobook. E foi com esse primeiro caderno que construiu que procurou uma fábrica onde pudesse aperfeiçoar o produto e começar a produzi-lo para vender. Pedro transformou o quadro branco num caderno com a mesma função mas que pode levar-se para qualquer lugar.

A ideia não era criar mas comprar algo assim. Só que, como não encontrei, com a ajuda do meu pai, que é vendedor, atirei-me de cabeça. Criámos uma campanha de crowdfunding que deu o impulso inicial. E conseguimos.”, recorda.

Na campanha pedia 1250 euros, conseguiu 2300 para a primeira encomenda de Ecobook, fabricados em Viseu. “Produzimos os primeiros 150 cadernos, criámos a empresa e começámos a trabalhar em novos modelos.”

A coleção de Ecobooks já conta com cadernos de dois tamanhos diferentes (A4 liso e pautado e A5 liso) e uma edição especial dedicada ao Dia dos Namorados (enfeitada com corações vermelhos), mas, Pedro quer inovar nos formatos. São escritos a caneta e podem apagar-se as vezes que se quiser. Provavelmente, sempre que quiser. Para sempre.

B.I.

° Pedro Lopes criou o protótipo do Ecobook em casa. Foi com esse primeiro caderno que procurou uma fábrica para começar a produzir. ° De acordo com contas do ecobook.pt, o projeto já permitiu poupar quase 47 mil folhas de papel e quatro árvores. ° Os cadernos estão à venda online. Custam a partir de 6,99euro (caderno + caneta Staedtler).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

No final de 2019 Estado terá mais 11 400 novos funcionários

Lucília Gao com Joana Marques Vidal no dia da sua tomada de posse como diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa © DR-Ministério Público

Lucília Gago é a nova PGR Tudo o que precisa de saber

Juan José Dolado, economista, investigador e professor universitário (Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Pior do que a precariedade vão ser os baixos salários”

Outros conteúdos GMG
Ecobook. Provavelmente, o último caderno que vai comprar na vida