Startup Portugal

Empreendedores em missão no exterior para abrir novas portas

IMG_8973

A Startup Portugal já organizou várias missões ao estrangeiro. A última foi ao Canadá. As startups trouxeram contactos que lhes podem abrir portas.

Na mala que levou para o Canadá, Aalok Y Shukla trouxe contactos. E não perdeu tempo a passar à fase seguinte. Poucos dias depois de ter aterrado em Portugal, o líder da Straight Teeth Direct, startup que opera na área dentária, estava já a dar seguimento a essas ligações. Um relacionamento que foi criado porque Aalok Y Shukla participou, tal como três outras startups, na missão ao Canadá promovida pela Startup Portugal.

Não é a primeira vez que a entidade que gere a estratégia nacional de empreendedorismo realiza uma missão ao estrangeiro. Nem é a primeira que coincide com uma deslocação do governo. “A Startup Portugal tem iniciativas que apoiam desde a fase da ideia até à da internacionalização. Esta [missão ao estrangeiro] é uma das iniciativas que apoia as startups na fase de abordagem aos mercados externos”, explica Maria Miguel Ferreira, diretora da Startup Portugal. O calendário das viagens ao estrangeiro foi traçado no ano passado, incluindo a passagem por alguns dos principais eventos de tecnologia do mundo. Contudo, vai sendo atualizado, nomeadamente em função das necessidades que chegam dos empreendedores, a quem apresentam a cada quatro meses um inquérito para perceberem “que mercados estão a abordar e onde é que precisam de mais ajuda”. “Há também outro fator que determina que haja algumas alterações ao que foi planeado: as missões de Estado”, diz.

O governo português deslocou-se no início deste mês ao Canadá para aferir as potencialidades deste mercado depois da assinatura do acordo de livre comércio entre a Comissão Europeia e este país. A Startup Portugal consultou o ecossistema e “percebemos que havia massa crítica para organizar uma missão”. Colocaram mãos à obra, e com ajuda do AICEP, “prepararam uma missão que tinha como objetivo que as empresas percebessem” quais as condições para, se quiserem, começarem a sua atividade naquele mercado.

A Straight Teeth Direct, a Beeverycreative, a Uphill e a Virtusai foram as quatro startups que percorreram mais de cinco mil quilómetros para conhecerem o ecossistema em Toronto. Visitaram incubadoras, marcaram presença numa conferência onde estava tanto o primeiro-ministro português como o homólogo do Canadá. No último dia, o jantar organizado pela Startup Portugal tinha, como aconteceu já em outras missões, um convidado especial. Além dos empreendedores portugueses e dos investidores locais, como é hábito, o ministro da Economia esteve também presente e fez um pitch sobre Portugal.

No âmbito destas missões ao exterior, além de organizar várias visitas e encontros – incluindo com investidores – a Startup Portugal explica que apoia também as empresas em termos logísticos – ajudando-as a encontrar, por exemplo, alojamento – e comparticipando uma parte das despesas.

Os empreendedores que rumaram ao Canadá – que tem mais de 35 milhões de habitantes – tinham objetivos claros: conhecerem o mercado, explorarem a possibilidade de encontrarem parceiros de negócio e potenciais investidores. Com o primeiro passo dado, os empreendedores vão agora continuar a desenvolver as ligações já criadas.

Straight Teeth Direct. Olhar para fora a partir de Portugal

Aalok Y Shukla e Lucie Marchelot Shukla fundaram no Reino Unido a Straight Teeth Direct, uma startup que tem uma solução que visa corrigir o alinhamento dos dentes, socorrendo-se de uma espécie de prótese que é impressa em 3D. Com o brexit, Aalok e Lucie decidiram vir para Portugal, tendo chegado em janeiro do ano passado. A produção desta solução continua no Reino Unido, mas os empreendedores estão a estudar a possibilidade de a transferir para a ilha Terceira (Açores). Sobre a missão ao Canadá, Aalok descreve-a em três aspetos: extremamente produtivo, estando já a dar seguimento a encontros que teve; inspiradora porque Toronto tem um ambiente dinâmico; e permitiu várias ligações, incluindo com portugueses, que nunca teriam acontecido de outra forma.

Uphill. Porta de entrada na América do Norte

A missão da Uphill é permitir aos profissionais de saúde treinarem protocolos clínicos e avaliar o seu grau de proximidade com as melhores práticas. Para isso criaram um software as service. A startup foi criada há dois anos por três médicos. Em Portugal, tem como clientes as principais operadoras de saúde e ambiciona agora internacionalizar. “Nesta fase, vamos levantar uma ronda de investimento com o objetivo de consolidar o produto e explorar outros mercados. A viagem ao Canadá foi importante para conhecer o mercado”, conta Eduardo Freire Rodrigues, CEO. “O Canadá apresenta-se como sendo um local muito adequado a entrar na América do Norte. O sistema de saúde é muito rico em provedores de saúde e tem cidades ricas em recursos humanos, com o perfil que procuramos”.

Virtusai. Oportunidade para passar mensagem

A Virtusai é uma startup que desenvolve soluções de Internet of Things que ajudam as empresas a obterem dados que podem ser úteis para o desenvolvimento do negócio. A missão ao Canadá da Startup Portugal foi a primeira em que participaram. Ricardo Teixeira, diretor da empresa, conta ao Dinheiro Vivo que acharam “interessante colocarem-nos em contacto com pessoas do ecossistema que estão interessadas nomeadamente em investir em projetos. Sentimos que havia uma boa oportunidade de passarmos a nossa mensagem e de sermos ouvidos”. A empresa partiu para aquele país da América do Norte com a ambição de conseguir angariar eventuais parceiros de forma a conseguir exportar a sua atividade. Fez contatos e já esteve da fazer follow-up de um dos que conseguiu em Toronto.

Beeverycreative. À procura de parceiros

Aurora Baptista, CEO da Beeverycreative, uma startup que produz impressoras 3D, era a única “repetente” neste tipo de missões. A viagem ao Canadá foi a terceira missão em que participou. “O meu interesse era o mesmo que para todas as nossas viagens que é encontrar distribuidores/parceiros potenciais, de preferência para a distribuição, e potenciais investidores”. Louvando o trabalho feito pelo AICEP, que ajudou na preparação da missão, Aurora Baptista lembra que a visita terminou com “um jantar com o ministro da Economia e uma séria de investidores locais que nos apoiaram e receberam com muito entusiasmo. O ministro da Economia deu-lhes confiança e isso ajudou imenso. São coisas que vão começar agora: começaram lá mas agora iniciam as trocas de informação”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Empreendedores em missão no exterior para abrir novas portas