Arquitectura

Esta arquitecta faz crachás e organiza festivais

Arquitectura é o ponto de partida
Arquitectura é o ponto de partida

Lara queria ser cabeleireira mas a mãe não deixou. A história podia ter sido mais dramática, mas Lara Seixo Rodrigues, 32 anos, seguiu os conselhos da mãe. Em 1997 mudou-se para Lisboa para estudar Arquitectura na Universidade Técnica de Lisboa, sem grandes certezas de que era arquitecta que queria ser.

O professor da cadeira de Projecto, o arquitecto Manuel Aires Mateus, trocou-lhe as voltas e convenceu-a a seguir a área com o entusiasmo de um “bom professor apaixonado pela profissão”. Lara terminou o curso em 2003, altura em que fundou, com o irmão, o atelier Seixo Rodrigues Arquitectos. Só que a arquitecta não queria construir apenas casas. Os projectos da cadeia Amo.te, lançada por Pedro Miguel Ramos, foram construídos pela dupla de arquitectos, que tratava “desde a escolha das cores de cada restaurante-bar aos copos usados em cada cidade”. Os Amo.te Braga, Açores, Covilhã e Viseu foram desenhados por Lara e Pedro.

Um dia, por brincadeira, os irmãos compraram uma máquina de fazer crachás. O investimento de 250 euros em equipamento e tecidos – que trazem muitas vezes do estrangeiro, quando viajam – marcou o arranque da Kraxas, uma empresa que faz crachás de tecido com colecções de vários países e tem quase lançadas duas linhas especiais: uma de crachás de cortiça e outra feita por artistas convidados, entre as quais Add Fuel to the Fire (Diogo Machado), Adres, Tosco, Mar, Min e Target.

“Não me consigo ver com uma profissão só. Quando me perguntam, digo que sou arquitecta. Mas nunca conseguiria ser só arquitecta”, explica.

O Wool Fest é a prova da vontade de nunca estar parada. No centro histórico da Covilhã, “as velhotas comentam” o retrato do homem, velho e apoiado num cajado, pintado numa casa, que a artista espanhola (catalã) BTOY esculpiu na parte lateral na parte lateral de uma casa “a cara de um velho, melancólico, sinal da desertificação do interior” entre 7 e 11 de Novembro. O festival de street art não passa despercebido. Lara diz que a cidade recebeu bem a “intrusão” e que o Wool é não só um festival mas um projecto artístico, tentativa de reabilitação e de intervenção no centro histórico da Covilhã. “As pessoas acarinham as peças e as velhotas juntam-se, à noite, a dar palpites e a ver os artistas trabalhar.”

O Wool é feito a três: ao irmão de Lara juntou-se a cunhada, a espanhola Elisabet Carceller. A primeira edição do festival, que inclui quatro eventos com quatro artistas diferentes, está a decorrer e a última acção ainda não tem data marcada [ver mais em www.woolfest.org]. O festival custou 10 mil euros, um investimento assegurado por uma parceria entre a Direcção-Geral das Artes e a Câmara Municipal da Covilhã.

Mas Lara não fica por aqui. O festival e a Kraxas dividem atenções com o projecto Balneário, um espaço no LX Factory onde Lara tem o atelier de arquitectura, no qual factura 30 mil euros por ano. O espaço é uma mistura de galeria de arte, da que Lara é presidente, e uma espécie de residência de artistas e outros profissionais que partilham o espaço em regime de co-working. “Eu e outras três empresas estávamos no LX Factory e queríamos mudar de espaço. Havia este, juntámo-nos todos.” À arquitecta juntaram-se um projecto de um músico e uma bailarina, uma oficina de bicicletas, outro atelier de arquitecta e uma empresa inglesa de animação em vídeo. Em Dezembro, junta-se aos residentes a equipa de um neurocientista que quer ter a “experiência” de trabalhar num espaço com tamanha diversidade de profissões. Sempre com exposições à mistura.

Afinal, Lara é o quê? Não importa. Lara faz.

Retrato

Lara Seixo Rodrigues é licenciada em Arquitectura pela Universidade Técnica de Lisboa. Começou a trabalhar por conta própria em 2003. Participou na construção e decoração dos espaços Amo.te franchisados. Investiu 250 euros na criação da empresa Kraxas. É presidente do projecto de “promoção e divulgação artística” Balneário e fundadora do Wool Fest, na Covilhã. www.woolfest.org

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
100 anos fatos de banho

Vídeo. 100 anos de fatos de banho pintados no corpo

O empresário Américo Amorim já veio desmentir as contas no HSBC.

Ricos estão cada vez mais ricos. Amorim ganha mais 586 milhões

REUTERS/Stephen Lam

A ironia de Wall Street: Apple dispara com quebra nas vendas e lucros

Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens

Dona do Pingo Doce vende totalidade da Monterroio

Foto: Boom Festival

Boom Festival distinguido pela Rolling Stone

Fotografia: REUTERS/Issei Kato

Pedro venceu mais de 500 adversários para aprender a ser CEO por um mês

Conteúdo Patrocinado
Esta arquitecta faz crachás e organiza festivais