Entretenimento

Fever vai contratar mais 10 pessoas para Portugal e quer entrar no Porto

Gil Belford, líder da Fever, plataforma de entretenimento e experiências, fotografado com a equipa da empresa em Portugal. (Gustavo Bom / Global Imagens)
Gil Belford, líder da Fever, plataforma de entretenimento e experiências, fotografado com a equipa da empresa em Portugal. (Gustavo Bom / Global Imagens)

Plataforma espanhola de eventos fechou ronda de investimento de 35 milhões de euros e vai apostar em criações próprias.

É uma febre que não pára de crescer: a plataforma de eventos Fever prepara-se para aumentar a sua equipa em Portugal, com a contratação de até 10 pessoas até ao final deste ano. A empresa espanhola não fica por aqui: quer entrar na cidade do Porto ainda neste ano e está pronta para investir em eventos culturais portugueses. Esta ambição é possível depois de a plataforma ter anunciado uma ronda de investimento de 35 milhões de dólares (31,2 milhões de euros), liderada pelos japoneses da Rakuten.

“Vamos utilizar o dinheiro desta ronda para reforçar a equipa em Portugal. Até ao final do ano, poderemos contratar mais 5 ou 10 pessoas” para o escritório de Lisboa, conta-nos Gil Belford a partir de Valência – este fazedor acumula, desde há algumas semanas, a liderança da equipa portuguesa com a responsabilidade pela equipa espanhola.

O escritório de Portugal conta atualmente com 14 pessoas e ajuda a desenvolver a área dos eventos especiais da Fever. A criatividade lusa ajudou, por exemplo, a criar uma “escape room” especial de A Casa de Papel, a série produzida pela Atresmedia, grupo audiovisual espanhol que é um dos investidores da plataforma de eventos.

Nos eventos especiais da Fever em Portugal, contam-se, para já, vários concertos acústicos e até um speed dating gay, que nunca tinha sido realizado em solo português. Mais acontecimentos poderão surgir nos próximos tempos. “Nos planos, está um evento gastronómico de alto nível e com um toque diferente, para o início de 2020.”

A plataforma de eventos também permite comprar bilhetes para concertos, filmes ou outras experiências, através de uma aplicação móvel gratuita para os sistemas operativos Android (Google) e iOS (Apple).

Entrada no Porto

A entrada numa grande cidade por cada trimestre é outro dos objetivos desta ronda de financiamento da Fever. Em 2018, a empresa já admitia que o Porto poderia entrar na rota das cidades da plataforma. Com a injeção de capital, o desejo é reforçado e poderá concretizar-se ainda neste ano.

“Poderemos chegar ao Porto em breve. Gostaríamos que isso acontecesse até ao final deste ano. Este plano pode acelerar com o levantamento desta ronda. A entrada nessa cidade depende de quão rápido conseguirmos fazer o lançamento das próximas cidades. Vemos muito potencial no Porto e é um sítio para onde queremos ir. Há uma série de sinergias que se geram no nosso ecossistema e dos nossos parceiros”, adianta Gil Belford ao Dinheiro Vivo.

A Fever está presente em 13 cidades: Lisboa, Madrid, Sevilha, Bilbau, Málaga, Ibiza, Barcelona, Valência, Paris, Manchester, Londres, Los Angeles e Nova Iorque.

Fundo de cinco milhões

A plataforma espanhola também conta com um fundo de cinco milhões de euros para apoiar novos eventos em Portugal até ao final de 2020. Só que o investimento em solo nacional, até agora, foi reduzido.

“Precisamos de encontrar oportunidades que nos façam sentido. Para já, só investimos, em quantidades muito pequenas, em eventos nossos. Falta encontrar grandes oportunidades e investir a sério”, acrescenta o responsável ibérico.

Para conhecer melhor a Fever, pode ler este artigo: Sem planos para sair à noite? Chegou a aplicação com centenas de ideias.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, Portugal 2

Endividamento das famílias atinge máximo de três anos

Mário Centeno e Pierre Moscovici. Fotografia: EPA/ARIS OIKONOMOU

Bruxelas com reservas sobre esboço pede plano atualizado

(Carlos Santos/Global Imagens)

TDT. Anacom arranca com call center em novembro para teste piloto

Outros conteúdos GMG
Fever vai contratar mais 10 pessoas para Portugal e quer entrar no Porto