serviços

Fixando cresce para Áustria e Suíça

Miguel Mascarenhas é um dos fundadores da Fixando, startup que escolheu Lisboa como local do centro de operações. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens
Miguel Mascarenhas é um dos fundadores da Fixando, startup que escolheu Lisboa como local do centro de operações. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Operações nos dois novos países são geridas a partir dos escritórios desta startup em Portugal e na Alemanha

A Fixando, a startup portuguesa que facilita a contratação de serviços, já está a operar na Áustria e na Suíça. A plataforma fundada por Miguel Mascarenhas, Markus Scherner e Michiel van der Meer, fundadores de portais como Standvirtual, Coisas e Imovirtual, pretende responder à falta de soluções para a contratação deste tipo de serviços nestes países.

“A nossa presença no mercado alemão foi um dos principais impulsionadores para a seleção destes dois países que, ao mesmo tempo, têm uma dimensão significativa (com mais de 8 milhões de habitantes em cada país) e carecem de opções ao nível de marketplaces de serviços locais. São dois mercados onde a Fixando poderá introduzir o seu know-how em negócios online, através dos especialistas que temos já a operar no mercado alemão”, refere Miguel Mascarenhas, em nota enviada às redações esta segunda-feira.

Na Áustria e na Suíça estão disponíveis mais de 5000 profissionais na plataforma, em cerca de 1000 categorias. Mais de 100 dos profissionais inscritos disponibilizam os seus serviços remotamente a partir da Alemanha devido à proximidade com a Áustria e a Suíça. As operações nestes dois países são geridas através dos escritórios da Fixando em Portugal e na Alemanha.

Lançada em janeiro de 2017, a Fixando conta com 35 000 clientes em Portugal, Alemanha, Áustria e Suíça.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Fixando cresce para Áustria e Suíça