Energia

Free Electrons: Aceleração de ideias de energia terá final em Portugal

Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens.
Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens.

Programa de aceleração internacional conta com o apoio da EDP e da Beta-i. Grupos de utilities de nove países integram esta iniciativa.

As startups com ideias para a área de energia já podem concorrer para a terceira edição do Free Electrons. Este programa de aceleração volta a contar com a participação da EDP e da plataforma de inovação Beta-i. Pela primeira vez, a final desta competição internacional vai realizar-se em setembro, em Lisboa.

Serão aceites candidaturas de startups que tenham soluções nas áreas de mobilidade, energias limpas, redes inteligentes e digitalização. Estas empresas irão depois trabalhar com grupos de energia de países como Portugal, Alemanha, Dubai, Estados Unidos, Hong Kong, Japão, Singapura e Austrália e, no total, contam com 80 milhões de clientes, de 40 países.

A edição de 2019 do programa Free Electrons irá dividir-se em três módulos: o primeiro, em Columbus, no Estado norte-americano do Ohio, em maio; o segundo em Hong Kong, na China, em junho; e o terceiro e último módulo vai realizar-se em Lisboa, em setembro, onde será conhecido o grande vencedor, que receberá o prémio de 200 mil dólares (175,5 mil euros).

As candidaturas para este programa estão abertas até 22 de fevereiro e poderão ser feitas através desta página. As startups escolhidas para o bootcamp serão anunciadas dia 13 de março.

Em 2018, a SOLshare ganhou o principal prémio por desenvolver soluções para quem não tem acesso à rede elétrica e sobre a qual o Dinheiro Vivo já escreveu.

Desde a primeira edição, o Free Electrons já proporcionou sete milhões de euros em contratos de negócio assinados entre 27 startups e 10 grupos de energia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Free Electrons: Aceleração de ideias de energia terá final em Portugal