fazedores

From Start-to-Table. Porque a restauração também tem ideias escaláveis

empreendedores; fazedores; startups

Programa de aceleração da Startup Lisboa para projetos de restauração arranca em outubro mas candidaturas estão abertas até dia 15.

No mundo das startups, há um número considerável de projetos ligados a tecnologia. Mas nem só destes projetos vive o mundo do empreendedorismo. Numa altura, em que o turismo nacional dá cada vez mais cartas a nível internacional, a Startup Lisboa prepara-se para lançar a segunda edição de um programa de aceleração vocacionado para a restauração, o From Start-to-Table.

As candidaturas estão abertas até ao próximo dia 15 e o programa arranca a 12 de outubro. Esta será a segunda edição do programa que tem 30 mil euros para premiar três projectos, um em cada uma das categorias: Tecnologia para restauração, Novos conceitos de restauração e Produtos inovadores de food and beverage.

Marta Miraldes, Head of Programs da Startup Lisboa, ao Dinheiro Vivo, conta que o balanço feito à primeira edição deste programa de aceleração “foi excecional”. “A Startup Lisboa – desde o seu início – teve projetos de food and beverage. Nunca lhe demos, eventualmente, um destaque maior, mas sempre tivemos no nosso ADN apoiar esses projetos. Percebemos que a maior parte deles são escaláveis”.

“Percebemos que esta ideia de que é escalável é apenas o que é tecnológico não é bem assim. Como é óbvio tem outros desafios. Mas consegue-se [escalar neste setor]. E consegue-se sobretudo inovar. Há um caminho por desbravar em termos de inovação fantástico” no campo da food and beverage.

A responsável da Startup Lisboa notou ainda que: “dos 22 projetos do ano passado, temos entre 75% a 80% no mercado, ou em vias de abrir ou a começar a vender. Tivemos dois que claramente não vão avançar”, daí que o saldo seja positivo.

Este programa tem como parceiros entidades como o Turismo de Portugal, AHRESP, Delta e Sagres.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

EDP vai recorrer da multa de 48 milhões aplicada pela Concorrência

Fotografia: Global Imagens

ANA corta taxas aeroportuárias e agarra Ryanair em Faro

Outros conteúdos GMG
From Start-to-Table. Porque a restauração também tem ideias escaláveis