Fusão na moda em Portugal: Platforme compra Springkode

As duas startups, em conjunto, querem acelerar a transformação da moda para o mundo digital e a produção personalizada na indústria do luxo.

A Platforme nasceu em 2016 para personalizar a moda de luxo através da tecnologia. A Springkode arrancou em 2018 com uma plataforma online para a venda de artigos da fábrica diretamente para o consumidor. A partir desta terça-feira, as duas startups são só uma: a Platforme comprou a Springkode e pretende acelerar a transformação da moda para o mundo digital e para um modelo mais sustentável.

A operação foi anunciada através de comunicado mas não foi revelado o montante envolvido. O que se sabe é que a Platforme, liderada por Gonçalo Cruz, vai colocar a indústria cada vez mais perto do consumidor e dos pontos de venda. Esta solução torna a moda mais sustentável: há menos coleções desperdiçadas, com menores impactos para o ambiente e maior eficiência para as empresas.

Os trabalhadores da Springkode, liderada por Reinaldo Moreira, vão ser absorvidos pela Platforme ainda neste trimestre.

O negócio surge depois de, no final de 2020, a Springkode ter deixado de ter disponíveis na sua plataforma os produtos fabricados por mais de duas dezenas de fábricas. Numa publicação na sua página oficial, a empresa falava de um ano de 2020 "desafiante e emocionante", que convidada a plataforma a "refletir e a ponderar qual a melhor forma de continuar a nossa jornada".

Em março, no início da pandemia em Portugal, os parceiros da Springkode viram as suas encomendas canceladas. A produção de máscaras acabou por servir como balão de oxigénio para os seus parceiros, conforme escreveu em julho o Dinheiro Vivo.

"Decifrar fórmulas para encontrar avanços tem sido uma das coisas mais difíceis de fazer na história da moda, principalmente devido à falta de evolução que a indústria tem sofrido quando comparada com outras. Estamos muito confiantes que a nossa combinação de engenheiros de software e industriais, ao lado de cientistas de dados, vai colocar-nos numa excelente posição para liderar a incrível evolução que veremos nas próximas décadas", antecipa Gonçalo Cruz, citado em comunicado.

Do lado da Springkode, Reinaldo Moreira destaca o "alinhamento perfeito" dos valores desta startup com a Platforme. "Vemos esta mudança como a melhor maneira de atingir, com mais rapidez, o nosso objetivo de reduzir a pegada ambiental da moda, remodelar a forma como a indústria da moda funciona e entregar mais valor a todas as partes envolvidas na cadeia de abastecimento", acrescenta o fazedor.

A Platforme nasceu em 2016 como Ripe Productions, contando como Gonçalo Cruz, José Neves e Demiri como fundadores. Até agora, já amealhou perto de 18 milhões de euros de financiamento. Além do centro tecnológico no Porto, esta startup tem um escritório em Londres.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de