internacionalização

Wonder Laces entra em Angola. Segue-se Espanha e França

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Para 2018, as metas passam pela cobertura nacional e pela entrada em novos países,

Criada em março de 2017, a marca portuguesa de aplicações para calçado Wonder Laces expandiu o negócio para Angola no final de dezembro, adotando naquele país a designação Wonder Laces Angola. O ano passado ficou ainda marcado pela conquista de sete novos pontos de venda em território nacional.

Para 2018, as metas passam pela cobertura nacional e pela entrada em novos países, garantiu ao Dinheiro Vivo a fundadora Madalena Ruão Garcez. Os próximos mercados na mira desta fazedora são França, onde já está a trabalhar em parceria com uma empresa local, e Espanha, com a participação em feiras e a análise de potenciais parceiros de negócio.

Quanto ao mercado angolano, Madalena Ruão Garcez diz que foi surpreendida pelo interesse de duas fazedoras angolanas que quiseram levar os coloridos acessórios para todo o tipo de sapatos e ténis para o continente africano. À conta da presença em Angola, onde terá pontos de vendas nos principais shoppings do país, a Wonder Laces já teve de apostar em força no aumento da produção para satisfazer a procura dos consumidores angolanos, que rapidamente aderiram à moda.

Para breve, a fazedora portuguesa tem planeada uma viagem a Luanda, para se inspirar in loco para a criação de uma nova linha de produtos com inspiração nos padrões africanos e que será lançada em 2018.

Esta internacionalização resulta assim da estratégia de expansão da marca para novos mercados, um marco que foi consolidado através de uma parceria local com a empresa Himbas, liderada por duas fazedoras residentes em Luanda. Rendidas às aplicações Wonder Laces desde o primeiro contacto, as duas empresárias decidiram investir num produto que consideram criativo, inovador e com elevado potencial comercial. Segundo as representantes da marca naquele país africano, a gestão do negócio será feita com visão e ambição, tendo traçado como objetivo inicial introduzir a Wonder Laces Angola em vários pontos de venda, apostando em centros nevrálgicos da cidade.

A marca Wonder Laces foi fundada, em março de 2017, por Madalena Ruão Garcez que criou uma nova tendência de moda que se propõe a dar uma nova vida a sapatilhas ou sapatos através de aplicações de vários feitios, formas e cores. A fazedora explica que a ideia surgiu pelo facto de ser uma apaixonada pelo mundo da moda e que, após um estudo de mercado, descobriu que não havia, em Portugal, nenhuma marca que disponibilizasse aplicações para calçado: “Perante a nova tendência de moda com recurso a aplicações, percebemos que existia uma lacuna no mercado português, uma vez que, não existia nenhuma marca com acessórios para sapatilhas. A Wonder Laces surge com esta missão e com o intuito de dar uma nova vida, não só, às sapatilhas, mas também, ao calçado em geral, de uma forma criativa, prática e económica.”

Atacadores, franjas, palas, pompons de várias cores e feitios estão entre as aplicações que a marca vende através da sua loja online e dos vários pontos de venda. “São muitas as opções disponíveis: desde cordões estampados, com diversos desenhos, passando por franjas, palas e pompons coloridos, até aplicações com temas ou brilhantes”, refere Madalena Ruão Garcez, garantindo que a estratégia comercial para 2017 foi totalmente superada: “Além da loja online, conseguimos criar sete novos pontos de venda através de parcerias com várias lojas localizadas no Porto, Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Paredes, Penafiel e São João da Madeira e, ainda, conseguimos internacionalizar a marca. Para 2018, o objetivo é alcançar a cobertura nacional e entrar em novos países.”

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Centro técnico da Uber, no Cairo, Egito. Fotografia: REUTERS/Amr Abdallah Dalsh

Portugal já lidera emprego online em plataformas como Uber, Airbnb e similares

NOS

Lucro da NOS sobe para 78,9 milhões no 1.º trimestre

Carlos Saturnino, Sonangol.

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Sonangol vende ativos para investir na produção

Outros conteúdos GMG
Wonder Laces entra em Angola. Segue-se Espanha e França