Design

Aos 19 anos ela desenhou um negócio de mil milhões

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Melanie Perkins democratizou o design gráfico e criou e preside à única startup australiana avaliada em mil milhões de dólares.

A ideia nasceu em 2007. Melanie Perkins, uma estudante de 19 anos, aluna do curso de comunicação e comércio, estava na sala de estar da casa da sua mãe, em Perth, na Austrália.

Hoje, Melanie é a presidente executiva da única startup tecnológica australiana a valer mil milhões de dólares (860 milhões de euros). É talvez a mais jovem presidente executiva a liderar uma empresa unicórnio. Poucas tecnológicas australianas atingiram uma escala semelhante.

A ideia sonhada por Melanie dá pelo nome de Canva e consiste numa aplicação de design gráfico que ajuda anunciantes e empresas a criar anúncios, logótipos e apresentações. Na semana passada, a empresa co-fundada por Melanie, fechou uma nova ronda de financiamento, desta vez de 40 milhões de dólares (cerca de 33 milhões de euros).

A Canva tornou-se na única empresa unicórnio da Austrália. Participaram na ronda de financiamento a Sequoia Capital, a Blackbird Ventures e a Felicis Ventures.

E a empresa nem sequer precisava de dinheiro já que é rentável, mas Melanie afirmou à Bloomberg que “era uma loucura não aceitar” já que as condições eram demasiado boas para recuar.

Decisão arriscada

O ponto de viragem na vida de Melanie surgiu quando, então com 22 anos, decidiu arriscar. Deixou para trás a faculdade e apanhou um avião para Palo Alto, na Califórnia para apresentar a sua ideia a um famoso investidor em tecnologia: Bill Tai.

Para tentar convencê-lo a investir na sua ideia para um site de design gráfico, Melanie decidiu seguir uma estratégia arriscada. Tinha lido que, para se impressionar alguém, se deve copiar a sua linguagem corporal. Decidiu então testar a teoria.

“Foi muito engraçado”, disse Melanie, agora com 30 anos, à BBC. “Ele estava sentado com um braço atrás da cadeira, a comer o seu almoço”. “Então, eu estou ali, com um meu braço atrás da minha cadeira, a tentar comer o meu almoço, enquanto ia avançando as páginas na minha apresentação… para lhe vender o futuro das publicações”.

E para Melanie, o “futuro das publicações” baseava-se na ideia de democratizar o design, permitindo que qualquer pessoa possa facilmente desenhar tudo, desde posters, sites na internet, calendários e cartões.

Para sorte de Melanie, Bill Tai não pareceu notar que ela o estava a imitar. Contudo, também não parecia estar interessado em investir na sua ideia.

“Eu pensei que ele não estava nada a gostar da minha apresentação porque ele estava ocupado com o seu telemóvel durante o tempo todo”, disse Melanie.

Mas a sorte sorriu à jovem australiana. Bill Tai estava impressionado o suficiente para a apresentar a uma rede de outros investidores, engenheiros e programadores de Silicon Valley. No final, o próprio Tai acabou por investir no negócio de Melanie.

Melanie acabou a Canva em 2014 com Cliff Obrecht e Cameron Adams. Melanie e Cliff tinham antes já cofundado a Fusion Books, uma ferramenta online para criação de anuários escolares. Adams era o cofundador da área de tecnologia e hoje é o administrador responsável pelos produtos da empresa.

A Canva tem 10 milhões de utilizadores em 179 países e a cada segundo são criados 10 designs através do seu site. No próximo ano, a startup planeia duplicar o seu número de funcionários para 500.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Aos 19 anos ela desenhou um negócio de mil milhões