Hub Criativo do Beato

Dois anos depois, começam as obras no Hub Criativo do Beato

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Primeiros espaços de um dos mais hubs de empreendedorismo da Europa deverão abrir entre final de 2019 e início de 2020.

Dois anos depois da apresentação oficial do Hub Criativo do Beato, já começaram as primeiras obras naquele que será um dos maiores espaços para o empreendedorismo na Europa. São visíveis e audíveis os sinais de obras no antigo armazém militar, na travessa do Grilo, a cargo do município e dos promotores das fábricas que serão ocupadas.

O motivo não é para menos: a Câmara de Lisboa e a Startup Lisboa, entidades responsáveis por este hub, esperam que os primeiros espaços sejam inaugurados entre o final de 2019 e o início de 2020. Alguns dos edifícios já estão mesmo atribuídos, de acordo com as informações oficiais que têm sido divulgadas nas últimas semanas:

Fábrica de Massas e Fábrica da Bolacha – estas unidades, que ocupam um total de 11 mil metros quadrados, serão ocupadas pela Factory. A empresa alemã irá acolher pelo menos 500 pessoas em espaços de coworking (trabalho partilhado) e também irá ter um ginásio e mesmo um restaurante. Espera-se que este seja o primeiro espaço do Hub Criativo do Beato a ficar pronto, embora com derrapagem de alguns meses face ao prazo inicial – final de 2018;

Central Elétrica – É considerada a “sala de visitas do Beato” e será ocupada pela The Browers Company, a nova marca criada pelo Super Bock Group. Além de uma microcervejaria, este espaço, que será desenhado pelos arquitetos Eduardo Souto de Moura e Nuno Graça Moura, estará dedicado às indústrias criativas, de acordo com a apresentação realizada no final de maio. Irá receber um investimento de três milhões de euros.

Fábrica do Pão – Tudo aponta que este local seja ocupado pela Startup Lisboa. Neste edifício, a incubadora alfacinha irá integrar as startups que começaram a crescer e que já não encontram espaço suficiente na Rua da Prata;

Fábrica de Moagem – grande parte dos equipamentos retirados dos 20 edifícios da Ala Sul do Beato serão colocados no Museu da Manutenção Militar. Esta será a nova atividade da antiga Fábrica de Moagem, cuja programação deverá estar a cargo da EGEAC, a empresa que gere os equipamentos e animação cultural da cidade de Lisboa;

Convento das Grilas – a antiga residência dos militares será transformada num espaço de coliving (residência partilhada), onde apenas poderão habitar as pessoas sem residência em Lisboa e que estão a trabalhar no hub.

Depois das intervenções necessárias, espera-se que o Hub Criativo do Beato possa receber cerca de 3 mil pessoas. “Este espaço extraordinário pela sua história e magia vai ser um polo de criação de emprego, inovação e artes e uma das maiores incubadoras da Europa”, indicou, a 17 de junho de 2016, Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa. Incubadoras, startups e empresas são as possíveis ocupantes destes 35 mil metros quadrados de hub.

Leia aqui: Um ano depois, o que é feito do Hub Criativo do Beato?

Também está garantido que os carros não poderão circular dentro do Hub Criativo do Beato e que serão privilegiados os meios de transportes amigos do ambiente, como as bicicletas. Para entrar na antiga Manutenção Militar serão construídos cinco acessos pedonais.

Fase dois em negociação

Os 35 mil metros quadrados do Beato, no entanto, não deverão ser suficientes. Há duas semanas, Fernando Medina admitiu o hub poderá quadruplicar e estender-se à ala Norte da antiga Manutenção Militar. O acordo poderá ficar fechado ainda este ano e dar uma nova dimensão a este espaço na zona oriental da cidade.

“Estamos a dialogar com o Exército e o Tesouro no sentido de podermos vir a usufruir desse espaço para desenvolvimento municipal e prolongar este projeto para Norte, até à linha férrea. Esperamos que o processo fique concluído durante este ano, o que nos vai permitir fazer o desenvolvimento do masterplano entre 2018 e 2019″, afirmou o autarca após a apresentação do projeto do Super Bock Group para o Hub Criativo do Beato.

Fernando Medina assinala, por exemplo, que na ala Norte “existe um teatro com capacidade para 800 pessoas, que pode e deve ser renovado e qualificado e ser colocado ao serviço da cidade, em particular na zona oriental”.

Este espaço também conta com uma creche, que “pode ser ampliada e alargada a outras valências de serviço de apoio à família” e “também há uma quinta, que pode ser usada como espaço de usufruição”. A ala Norte, ainda assim, poderá permitir o “alargamento de espaços de coworking (trabalho partilhado) e de serviços”, remata o autarca.

O atual Hub Criativo do Beato conta com 35 mil metros quadrados, da ala Sul da antiga manutenção militar. Este espaço foi concessionado, em 2016, pelo Exército ao Município de Lisboa por um período de 50 anos.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Idosos com isenção de mais-valias se aplicarem dinheiro em PPR

Cecília Meireles

CDS também quer IRS atualizado à taxa de inflação

Foto: Filipe Amorim/Global Imagens

“A banca não está a ajudar o Sporting na emissão obrigacionista”

Outros conteúdos GMG
Dois anos depois, começam as obras no Hub Criativo do Beato