Aceleração

Google acelera pela primeira vez duas startups portuguesas

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

As portuguesas Barkyn e Unono foram duas das oito startups selecionadas para a segunda vaga do programa de aceleração do Campus Madrid

Portugal vai participar pela primeira vez num programa de aceleração da Google. A tecnológica norte-americana selecionou duas startups nacionais para o “Campus Residency”, programa de seis meses que vai decorrer no Campus Madrid, em Espanha, e que dá acesso a mentores, serviços e apoio personalizado. O programa arranca no final de maio.

As portuguesas Barkyn e Unono foram duas das oito startups selecionadas para a segunda vaga do programa de aceleração do Campus Madrid. Neste programa, a Google não fica com qualquer participação nas empresas e adapta a aceleração das startups às suas necessidades específicas.

A Barkyn pretende revolucionar o mercado canino, ao reunir, em pacotes, alimentação, serviços e brinquedos. André Jordão destaca que este programa “é uma validação extra para o negócio” e “dá acesso a uma rede de especialistas a nível mundial, sem dar nada em troca. Como esta startup nascida no Porto também está no mercado espanhol, o “Campus Residency” servirá “também para dar uma grande ajuda a este mercado”.

A Unono é uma plataforma de recrutamento para jovens talentos e tem ADN português, graças ao cofundador Luís Mendes (o outro cofundador é o espanhol e suíço Raphäel Heraief). A presença no Campus Madrid vai servir para “perceber como vamos escalar o nosso negócio”. Luís Mendes entende que este programa de aceleração “é como um match feito no céu porque trabalhamos no recrutamento que e uma indústria tradicional, mas temos uma visão global e digital do negócio”.

A plataforma de recrutamento, com esta aceleração, pretende duplicar o número de colocações e expandir para uma nova cidade. “Queremos perceber de que forma podemos reduzir custos, na aquisição de clientes e utilizadores, ou mesmo na entrada em novas geografias, intensificando o nível de digitalização do nosso processo. E para isso, não há melhor parceiro do que a Google”, conclui o cofundador da Unono.

O Campus Madrid, fundado em junho de 2015, é um dos sete espaços que a Google tem em todo o mundo para apoiar o empreendedorismo. As startups lá incubadas obtiveram 75 milhões de euros de investimento em 2017. Este montante corresponde a um terço do financiamento obtido pelas empresas instaladas nos outros Campus da Google.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Google acelera pela primeira vez duas startups portuguesas