Protechting

Protechting. Três formas de usar tecnologia para mudar seguros

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Ifileme, Visor.ai e WeSavvy apresentam soluções inovadoras para simplificar vida dos clientes e melhorar qualidade de vida

Acesso a um roadshow na China e um prémio monetário de 10 mil euros para o vencedor. Estes são os prémios em disputa pelas 14 startups na fase de aceleração do programa Protechting, promovido pela Fosun e pela Fidelidade em parceria com a Beta-i. Os três melhores projetos serão anunciados a 7 de julho.

O Dinheiro Vivo associou-se à segunda edição do Protechting e vai apresentar as startups finalistas ao longo das próximas cinco semanas. Esta semana destacamos os projetos da Ifileme, Visor.ai e WeSavvy, que apresentam novas soluções para mudar a indústria seguradora.

Ifileme: Acabar com emails
Reunir documentos numa só plataforma e partilhá-los com todas as áreas de negócio de uma empresa e com os consumidores. Esta é a missão da Ifileme, a representante da África do Sul no programa Protechting. “Estava cansado de perder o meu tempo precioso em encontrar documentos pessoais entre emails, ficheiros e portais”, recorda Jannes du Plooy, um dos quatro fundadores desta startup.

Nascida em 2014, a Ifileme dispensa palavras-passe e nomes de utilizador. Os consumidores acedem aos ficheiros através de uma plataforma única e acessível a qualquer momento. A empresa sul-africana acredita que a participação no Protechting poderá permitir “a expansão para o mercado chinês, o que não seria tarefa fácil sem um parceiro como a Fosun”.

Com mais de 6000 utilizadores individuais na África do Sul e EUA, a Ifileme pretende crescer no mercado europeu e africano e assinar parcerias com a Fidelidade e o BCP. Se o programa correr bem, Lisboa pode mesmo tornar-se “na base para crescer” nos dois continentes, antecipa Jannes du Plooy.

Visor.ai: Usar os chatbots
A Visor.ai começou em 2015 depois de não ter corrido bem a primeira aventura nas startups de Bruno Matias, Gianluca Pereyra e Gonçalo Consiglieri. À segunda tentativa, estes três fundadores criaram um sistema que automatiza “até 70%” as interações das empresas com clientes com recursos a inteligência artificial e a chatbots (chats automáticos).

Com dois investidores, um português e outro espanhol, esta startup defende que tem um sistema “com a capacidade de interpretar linguagem natural”, ou seja, ao ajudar a automatizar o atendimento ao consumidor, “é normal as perguntas que chegam serem feitas de forma diferente de pessoa para pessoa mas mesmo assim terem necessidade de uma resposta igual”.

A Visor.ai conta já com sete elementos na equipa e cinco clientes distribuídos por Portugal e Espanha. Incubada na Beta-i, esta startup pretende continuar sediada em Portugal.

WeSavvy: Promover relação
A WeSavvy veio da Irlanda com uma plataforma seguradora digital que reúne e agrega dados do estilo de vida dos consumidores em aplicações, redes sociais e wearables, que depois podem ser usados, de forma preditiva, por empresas de serviços financeiros. Além disso, quer promover um novo modelo nesta indústria ao incentivar os consumidores a manterem-se ativos e saudáveis.

Depois de receber 150 mil euros de investimento, a empresa irlandesa conta com uma equipa de seis pessoas e chega ao programa Protechting com vontade de promover parcerias com a Fidelidade, a Multicare e a Fosun.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Protechting. Três formas de usar tecnologia para mudar seguros