Hub Criativo do Beato

Um ano depois, o que é feito do Hub Criativo do Beato?

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Pretende-se que este espaço, com 35 mil metros quadrados, torne-se num dos maiores hubs de empreendedorismo da Europa

“É um dia marcante para o futuro da cidade de Lisboa e para a construção do futuro da zona oriental da cidade.” A 17 de junho de 2016, Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, dava conta das ambições para o Hub Criativo do Beato, um espaço com 35 mil metros quadrados concessionado pelo Exército ao Município de Lisboa por um período de 50 anos e que pretende tornar-se num dos maiores hubs de empreendedorismo a nível europeu.

Só que um ano depois, quem passa pelo antigo armazém militar, na travessa do Grilo, no Beato, não vê grandes alterações exteriores e interiores, mesmo depois de terem decorrido eventos como o Road 2 Web Summit, que escolheu as 67 startups representantes de Portugal na cimeira tecnológica. Afinal, o que é feito do Hub Criativo do Beato? O Dinheiro Vivo sabe que as primeiras novidades deverão ser conhecidas em julho ou apenas depois das eleições autárquicas.

Até lá, Miguel Fontes, o diretor executivo da Startup Lisboa, entidade que dinamiza este espaço, explica o que foi feito no último ano no Hub Criativo do Beato.

É preciso ter alguma paciência para perceber que a dimensão do que estamos a falar envolve, de facto, um trabalho que não sendo tão visível, não significa que não esteja a ser feito e a ser feito de forma efetiva. A seu tempo, teremos condições de trazer a público uma parte significativa desse trabalho”, indica Miguel Fontes ao Dinheiro Vivo.

O diretor executivo da Startup Lisboa refere que “está a ser feito um levantamento” do espaço, que conta com um total de 20 edifícios, sem qualquer ligação externa. “Também estamos a fazer trabalho de apresentação do espaço e a responder às manifestações de interesse. É um trabalho de formiguinha, feito diariamente, para quando for o momento de vir a público tenha a consistência do que vai ser em concreto. Isto é um projeto de grande fôlego.”

Apesar de ter sido concessionado à Câmara de Lisboa, a Startup Lisboa também está a “criar um modelo financeiro e de exploração. São dimensões de trabalho que, não sendo visíveis, estão a acontecer. Ninguém esperaria que um projeto desta dimensão, aqui e em nenhuma parte do mundo, passado um ano, estivesse rapidamente a funcionar”.

Miguel Fontes dá conta também dos contactos recebidos por várias entidades. Mas ainda estão a ser definidas as áreas de trabalho e as obras de intervenção necessárias para que, por exemplo, a Web Summit possa instalar o escritório em Portugal no Hub Criativo do Beato.

Sobre as obras, o líder da Startup Lisboa diz que o investimento “será dividido entre município e promotores. Há intervenções que ficarão integralmente a cabo do município e outras a cargo dos futuros ocupantes”.

Depois das intervenções necessárias, espera-se que o Hub Criativo do Beato possa receber cerca de 3 mil pessoas. “Este espaço extraordinário pela sua história e magia vai ser um polo de criação de emprego, inovação e artes e uma das maiores incubadoras da Europa”, indicou, a 17 de junho de 2016, Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa. Incubadoras, startups e empresas são as possíveis ocupantes destes 35 mil metros quadrados.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Créditos ruinosos da Caixa nas mãos do Ministério Público

A330-900 neo

A330 neo. Associação de pilotos quer ouvir especialistas na Holanda

Greve de motoristas de matérias perigosas parou o país, em abril. 
(MÁRIO CRUZ/LUSA

Nova greve dos camionistas dia 12. Pré-aviso já foi entregue

Outros conteúdos GMG
Um ano depois, o que é feito do Hub Criativo do Beato?