novos negócios

GFoundry: Esta aplicação põe os trabalhadores a remar para o mesmo lado

Luísa Piló e João Carvalho,  da empresa GFoundry. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens
Luísa Piló e João Carvalho, da empresa GFoundry. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Entre Lisboa e Porto, esta startup quer promover a "cultura da felicidade" e trocar os reconhecimentos por moeda virtuais

Colocar os trabalhadores a remar todos para o mesmo lado é um desafio diário para qualquer empresa. A solução está à vista graças à GFoundry. Esta startup portuguesa reúne quatro ingredientes para envolver os colaboradores: a gamificação, o mobile, as ferramentas de análise de dados e a componente social. Luísa Piló, responsável comercial, e João Carvalho, responsável tecnológico e um dos fundadores, ajudam-nos a explicar a receita do software da GFoundry.

A ideia é promover a motivação entre os trabalhadores. “Se valorizar os colaboradores com jantares ou um dia extra – que o dinheiro não pode comprar -, é um negócio rentável. As pessoas produzem mais se forem valorizadas”, refere João Carvalho. O responsável tecnológico assinala que “a gratificação em dinheiro é um método muito antigo. A geração Y (millennials) valoriza outras características, como estar menos tempo no escritório ou ter mais flexibilidade no horário”.

O primeiro ingrediente da GFoundry é a gamificação, processo que recorre a mecânicas de jogo para resolver problemas e envolver os utilizadores. Isto concretiza-se através de rankings, medalhas, moedas virtuais e prémios, que podem ser trocados, num mercado dentro da aplicação, por dias de descanso ou por um lugar no parque de estacionamento da empresa.

A aplicação é totalmente digital e multiplataforma, sendo a aplicação para smartphones a versão com maior interação. “As pessoas não têm o hábito de agradecer”, diz João Carvalho. O reconhecimento é uma das principais áreas trabalhada pela empresa portuguesa e quer identificar características e competências dos colegas de trabalho. A oferta da GFoundry é apresentada com vários módulos, que o cliente pode usar conforme as necessidades.

O módulo formação permite a divulgação e interação com conteúdos que sejam formativos, como cultura interna ou de produto. O módulo reconhecimento permite identificar competências dos colegas de trabalho e ter uma visão panorâmica dos talentos disponíveis na empresa. E quem são os intervenientes que os detêm.

O módulo objetivos é usado para a definição de metas individuais ou coletivas, permitindo acompanhar a conclusão dos mesmos e tendo sempre em atenção os ingredientes fundamentais da gamificação. Além dos módulos, há ainda a componente social, em que cada utilizador pode acompanhar tudo o que se passa com os seus amigos. A GFoundry também desenvolveu o conceito das tribos, que permitem ligar pessoas por interesses comuns. A solução portuguesa conta com um chat entre trabalhadores.

A GFoundry pretende combater a falta de envolvimento dos trabalhadores com a cultura da sua empresa, a falta de comunicação interna e de práticas de reconhecimento.
A proposta portuguesa tem atraído vários tipos de empresas portuguesas, como a seguradora Fidelidade, o banco Santander, a tecnológica CGI e o grupo de bricolage Aki. Além de promover a formação interna dos trabalhadores, a GFoundry desenvolve outro tipo de soluções.

É o caso do código ambiental para os cidadãos de Lisboa, que inclui um questionário sobre poupança de energia. “Se os conteúdos estiverem no site ninguém os vai ler”, diz Luísa Piló.
A GFoundry desenvolve toda a plataforma com base nos conteúdos enviados pelas entidades com as quais colabora. A divulgação da marca (brand awareness) também é outra das componentes trabalhadas pela startup portuguesa.

Entre Lisboa e Porto
A GFoundry está dividida entre as duas principais cidades portuguesas. No Porto está a equipa tecnológica de programadores. A GFoundry faz a venda do software através de licenças. Na capital, a empresa está incubada na Startup Lisboa, onde está concentrada a parte comercial e a gestão.

As duas cidades complementam-se tal como Luísa e João, que vieram de áreas completamente diferentes.

Luísa Piló, que entrou na equipa desta startup em novembro de 2015, licenciou-se em Economia e trabalhou nos últimos anos na área de recursos humanos. “Tive três empresas próprias na área da mobilidade profissional, apoiando quadros expatriados de multinacionais”. O percurso de João Carvalho tem sido feito na área tecnológica. Há mais de dez anos lançou a Ubbin, uma empresa de desenvolvimento de software localizada em Matosinhos.

Em 2011, a Ubbin entrou no programa Game Foundry, que, já na altura, contava com a lógica de gamificação. “Criou-se uma base de trabalho importante”, recorda João Carvalho.
Os cinco fundadores quiserem trazer o seu knowhow e experiência nas mais diversas áreas, desde as tecnológicas à banca, ao identificarem a necessidade de uma ferramenta com estas características e versatilidade. Foi assim que a GFoundry nasceu em 2014. “Apesar de ser uma startup, trazemos para dentro dela tecnologia com muita experiência. É um casamento muito feliz”, resume João Carvalho. Nesta união já foram investidos 340 mil euros.

Investimento e exportação
No terceiro ano de atividade, a GFoundry iniciou em agosto a sua segunda ronda de investimento, em que pretende dispersar entre 10% e 15% do capital.

“Depois de 12 meses no mercado e com provas dadas, sabemos que chegou o momento de passar à fase seguinte e iniciar a internacionalização do nosso produto”, destaca Luísa Piló. Espanha, França, Inglaterra e Holanda são os principais alvos “para implementar a tecnologia junto do cliente”. A startup portuguesa conta com uma valorização de três milhões de euros, o dobro do montante de há ano e meio. Na altura, a empresa foi valorizada em 1,5 milhões de euros e vendeu 5% do capital aos investidores.

A GFoundry também está a tentar desenvolver um lado “self-service, a capacidade de um cliente nosso no outro lado do mundo pagar uma mensalidade ou anualidade e usar a plataforma autonomamente”, adianta João Carvalho.

Este será um sistema padrão e ideal para empresas com 30 ou 40 pessoas. O objetivo é desenvolver esta solução na altura da captação do investimento e reforçar a ligação entre a GFoundry e os seus parceiros.

Web Summit: Startup integra programa Alpha

A GFoundry vai ser uma das centenas de startups portuguesas que vão estar presentes na primeira edição da Web Summit realizada no nosso país. “Fomos das primeiras startups portuguesas a ser selecionadas pelo programa Alpha. Vai ser um semana intensa, de muita aprendizagem e de partilha.” O projeto espera sair do Parque das Nações “com novas oportunidades de negócio.”

O programa Alpha – assim como o Beta – dá acesso a uma competição de apresentações (pitch) às 200 melhores startups à frente de investidores, milhares de espectadores e de jornalistas. Este prémio foi ganho pela Codacy na Web Summit em 2014.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página Inicial

Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com responsáveis da VW na apresentação do T-Roc. Fotografia: DR

Caldeira Cabral confiante em acordo com trabalhadores da Autoeuropa

Fátima Barros, presidente da Anacom
Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Operadores dificultam rescisões de contratos e Anacom divulga alternativas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
GFoundry: Esta aplicação põe os trabalhadores a remar para o mesmo lado