novos negócios

Glovo chega a Portugal para entregar produtos na hora

Glovo

A Glovo é a mais recente aplicação no mercado de entregas em Portugal. Esta plataforma espanhola iniciou as operações em Lisboa esta terça-feira, e permite que qualquer pessoa possa comprar, receber e enviar qualquer produto dentro da mesma cidade. A plataforma funciona através de aplicação para Android e iOS ou através da versão online.

Associada a parceiros como restaurantes, floristas, farmácias e mercados de bairro, a plataforma espanhola faz as entregas através de estafetas, os “Glovers”. Os “Glovers” estão “registados como trabalhadores independentes e declaram os seus rendimentos no ato da entrega do IRS”. Podem mover-se de carro, mota ou bicicleta e ganhar até oito euros por hora, segundo o anúncio de recrutamento.

Hamburgueria da Parada, Sushi dos Sá Morais, restaurante El Clandestino e Pastelaria Batalha são os primeiros parceiros da empresa no nosso país.

A Glovo também permite o envio de documentos entre empresas e trata de pequenos recados para clientes particulares.

Portugal é o quarto país a receber os serviços da Glovo, depois de Espanha, França e Itália. A aplicação conta mais de 250.000 utilizadores e três mil parceiros. A empresa foi fundada em fevereiro de 2015 em Barcelona por Óscar Pierre e Sacha Michaud e já obteve mais de 37 milhões de euros de financiamento.

A Glover conta em Portugal com a concorrência de empresas nacionais como a NoMenu e, mais recentemente, da SendEat. Até ao final do ano está anunciada a vinda do serviço da Uber, o UberEats.

(Notícia atualizada às 18h58 com novo montante de financiamento obtido)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

Mealhada, 3/7/2020 -  O complexo Turístico Três Pinheiros, um espaço emblemático da Bairrada, apresentou um pedido de insolvência  na sequência das quebras provocadas pela pandemia de Covid-19.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mais insolvências e menos novas empresas em julho

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

Glovo chega a Portugal para entregar produtos na hora