Investimento

Governo cria Fundo de Inovação Social com dotação de 55 milhões

Fotografia: MIGUEL A. LOPES/LUSA
Fotografia: MIGUEL A. LOPES/LUSA

O governo criou o Fundo de Inovação Social com um capital inicial de 55 milhões de euros. O objetivo é apoiar PME e entidades de economia social.

Foi publicado hoje em Diário da República o decreto-lei que cria o Fundo de Inovação Social, entrando em vigor amanhã. Este fundo tem uma dotação de 55 milhões de euros e visa colmatar uma lacuna no mercado que é o fato de o “sistema bancário não estar preparado para conceder financiamento tradicional, enquanto os fundos de capital de risco não [terem] despertado ainda para o potencial do setor”.

“Esta falha de mercado existe não só para os destinatários mais tradicionais das entidades da economia social mas também para os empreendedores sociais promotores de projetos mais inovadores”, pode ler-se em Diário da República.

O governo considera assim que “justifica-se a constituição” do Fundo que tem como objetivo “a realização de financiamento e de coinvestimento de capital e quase capital em sociedades sob a forma comercial que se classifiquem como Pequenas e Médias Empresas e entidades de economia social implementadoras de IIES (Iniciativas de Empreendedorismo e Inovação Social), que, por apresentarem condições de sustentabilidade financeira, permitam o posterior reembolso dos investimentos”.

Este fundo recebeu contribuições da União Europeia – que correspondem a 85% das verbas – e do Estado Português – o que corresponde a 15%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Governo cria Fundo de Inovação Social com dotação de 55 milhões