Atomico

Governos devem dar prioridade a inteligência artificial e blockchain

Daniela Braga, CEO e fundadora da DefinedCrowd, startup portuguesa que está presente na área da inteligência artificial. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens
Daniela Braga, CEO e fundadora da DefinedCrowd, startup portuguesa que está presente na área da inteligência artificial. Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Impostos, proteção de dados e privados e leis laborais são as principais áreas que necessitam de alterações legislativas

Inteligência artificial e blockchain devem ser as principais áreas tecnológicas apoiadas pelos governos, com mudanças na legislação ou outro tipo de incentivos. Esta é a posição defendida pelos participantes no relatório “State of European Tech”, elaborado pelo fundo de capital de risco Atomico – que investiu em 2015 na Uniplaces – e que é apresentado esta quinta-feira no evento tecnológico Slush, em Helsínquia, Finlândia.

35% dos inquiridos entende que a inteligência artificial é a área que deve ser mais apoiada pelos governos europeus. Esta também é a área de deep tech com mais investimento acumulado desde 2012 – 4,6 mil milhões de dólares (3,9 mil milhões de euros) – e a que gera mais investigação de referência nas universidades europeias

A blockchain também deve ser bastante seguida pelos governos europeus, segundo 26% dos inquiridos.

Tanto a inteligência artificial como a blockchain são as áreas tecnológicas onde o continente europeu se pode posicionar como líder ao longo dos próximos cinco anos.

Impostos, proteção de dados e privados e leis laborais são as principais áreas que necessitam de alterações legislativas, segundo os inquiridos. “A Europa precisa de apoiar as suas startups com leis mais claras e unificadas e tornar mais fácil começar e fazer crescer um negócio a partir de qualquer país, seja Alemanha ou Roménia”, defende Tom Wehmeier, autor do estudo.

A criação de incentivos para o desenvolvimento de tecnologia de inteligência artificial e de carros autónomos também é vista como uma potencial “enorme vantagem competitiva” da Europa sobre os restantes continentes e que “países como Reino Unido, Suécia e Estónia já estão a começar a avaliar”.

A Atomico elaborou pela terceira vez o estudo “State of European Tech”, recorrendo a uma amostra de 3500 membros da comunidade tecnológica na Europa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Governos devem dar prioridade a inteligência artificial e blockchain