mobilidade

Grupo Renault com fundo de mil milhões para investir em startups

Carlos Ghosn, presidente executivo do grupo Renault-Nissan. Fotografia: REUTERS/Steve Marcus
Carlos Ghosn, presidente executivo do grupo Renault-Nissan. Fotografia: REUTERS/Steve Marcus

Fundo de investimento do grupo franco-japonês vai ter escritórios em cinco cidades mundiais para trabalhar com startups

O grupo Renault-Nissan pretende investir mil milhões de dólares (837,3 milhões de euros) em startups nos próximos cinco anos. Isso será possível por causa de um fundo de investimento criado por este grupo automóvel chamado Alliance Ventures e que pretende trabalhar com as novas empresas na área da mobilidade. O fundo foi apresentado na terça-feira durante a feira de tecnologia CES, em Las Vegas (Estados Unidos).

“Queremos criar uma plataforma para a startup poder falar para três empresas”, referiu Carlos Ghosn, presidente executivo do grupo automóvel franco-japonês. Além da Renault e da Nissan, este fundo também vai contar com a participação da Mitsubishi, adquirida em 2017. Em 2018 serão investidos 200 milhões de euros.

Esta é a fórmula encontrada pela Renault para que possa trabalhar com as startups de forma mais rápida e eficaz. Por isso, este fundo de investimento vai ter escritórios na região de Silicon Valley (Estados Unidos), Paris, Tel Aviv, Tóquio/Yokohama e Pequim.

A aliança automóvel franco-japonesa pretende lançar 12 carros totalmente elétricos nos próximos seis anos, assim como implementar mais tecnologia para condução autónoma.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Grupo Renault com fundo de mil milhões para investir em startups