empreendedorismo social

Gulbenkian lança aceleradora para startups de impacto social

Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens
Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Programa Maze X vai dar até 12 500 euros a 10 startups sem assumir qualquer participação no capital social. Lisboa será a sede deste projeto.

A Fundação Calouste Gulbenkian lançou esta segunda-feira um programa de aceleração para startups de impacto social. O Maze X vai apoiar as novas empresas de base tecnológica que resolvam desafios sociais e ambientais através dos seus negócios. Além da Gulbenkian, esta iniciativa vai contar com o apoio das fundações Edmond de Rothschild e Maze, além da sociedade de advogados PLMJ.

O programa Maze X vai arrancar dia 6 de maio e acelerar 10 startups durante três meses, em Lisboa. Para suportar todas as despesas, as empresas selecionadas irão receber até 12 500 euros em dinheiro e sem ceder qualquer participação acionista. Depois disso, as startups poderão beneficiar de seis meses de acompanhamento e de incubação.

As 10 startups selecionadas também terão nove meses de acesso gratuito à Casa do Impacto, o polo de empreendedorismo e inovação social da Santa Casa de Lisboa. O programa também vai dar acesso a “oportunidades de desenvolvimento de pilotos com empresas, rede de investidores de impacto e a mentores” e ainda a um “roadshow europeu para apresentar as startups de impacto a outros ecossistemas europeus de alto crescimento”.

As candidaturas estão abertas até 25 de março e poderão ser feitas através desta página. Procuram-se startups europeias e modelo de impacto e impacto “claro e forte, já verificado”.

“Assegurar um impacto social e ambiental positivo é um grande desafio do nosso século e uma oportunidade chave para desenvolver soluções de mercado que tiram partido da tecnologia para escalar e chegar a mais pessoas. A Maze X é um caminho para acelerar essas soluções”, destaca Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, citada em nota de imprensa.

Portugal tem apostado cada vez mais na área do empreendedorismo social, com projetos privados e públicos. Nos projetos privados, nota para o Impact Hub, apresentado no final de janeiro de 2017; a nível público, destaque para a programa Portugal Inovação Social, que lançou um fundo de 55 milhões de euros para apoiar projetos de impacto na sociedade e que conta com a presença de Ana Teresa Lehmann, ex-secretária de Estado da Indústria.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Gulbenkian lança aceleradora para startups de impacto social