Hendrik Thoma: Vinho português “tem de envolver-se e trabalhar o perfil da diferença”

Master sommelier alemão
Master sommelier alemão

O master sommelier alemão Hendrik
Thoma veio a Portugal provar e selecionar os 50 melhores vinhos
portugueses para vender na Alemanha, que serão revelados
brevemente.

A Alemanha constitui o 7.º destino de exportação
dos vinhos portugueses e o 2.º em vinhos tranquilos, com crescimento
de 11,7% em valor. O objetivo para este mercado, a três anos, é
crescer 14%, tendo um investimento de 260 mil euros.

Ler mais: 50 vinhos portugueses… para Brasil
apreciar

Ao
Dinheiro Vivo, Hendrik Thoma, que esteve em Portugal a convite da
ViniPortugal, explica que a sua relação com o vinho português tem
quase 20 anos. “Observei e previ esta explosão em termos de
qualidade”, diz.

Qual a perceção do vinho português
no mercado alemão?

É muito positiva. Muitos alemães têm
contacto com os vinhos portugueses durante as suas férias. Depois
voltam para casa e nunca mais encontram a maioria das marcas, o que é
uma pena.

O facto de Portugal ser um país intervencionado
pela Troika prejudicou a imagem dos vinhos portugueses?

Não
creio.

Como pode o vinho português continuar a crescer na Alemanha?

Tem de envolver-se e trabalhar o perfil da diferença. O vinho é um negócio muito pessoal.

Quem
são os principais concorrentes dos vinhos portugueses neste
mercado?

Portugal tem um nicho na Alemanha e concorre com
todos. Mas desde que tenham um estilo muito individual, os vinhos
portugueses não têm, estatisticamente, concorrentes diretos.

Acha
que deve haver uma estratégia para o comércio e outra fora do do comércio,
ou as marcas devem ter um posicionamento abrangente?

Sim,
a parte trade é menos emocional. É guiada por números e por uma
elevada competição por espaço nas prateleiras. Não funciona por
simpatia. Já o negócio dos restaurantes [on trade] é mais emocional e
funciona como uma rede.

Você tem mais de 16 mil fãs no
Facebook e 4 mil seguidores no Twitter. As redes sociais podem ser
uma via para a promoção do vinho?

Não conheço
muitos países produtores de vinho que levem muito a sério as redes
sociais, exceto os EUA. Em muitos casos, adegas ou organismos estão
presentes da maneira que julgam ser importante estar. Mas depois
de algum tempo, como não conseguem o retorno que querem desistem. Os
media sociais simplesmente funcionam de forma diferente em relação
aos tradicionais, mas podem criar um grande capital para uma
marca. É preciso ser verdadeiro e apaixonado no Facebook e no
Twitter e interagir com os clientes. Eles são o valor mais
importante. É preciso ter perguntas e ser rápido a responder.
É preciso dar aos clientes uma experiência pessoal e entrar em
diálogo com eles.

Qual
a sua opinião sobre os vinhos tranquilos, generosos e espumantes
portugueses?

Os primeiros vinhos portugueses de que eu gostei foram
do Douro. Foram também os primeiros que apresentei. Mais tarde
descobri as regiões do Dão, Bairrada e Vinho Verde e gostei deles,
por causa da frescura. Mas temos sempre os vinhos alentejanos, que eu
adoro e estou interessado em aprender mais sobre eles.

Existe
um mercado específico para os Portos e Madeira e outro para as
restantes regiões? Que vantagens podem estes vinhos ter no mercado
alemão?

Estranhamente, num clima frio como o alemão, os
vinhos fortificados irão continuar a ser um nicho. Não temos uma
história como os britânicos têm convosco. Mas poderia funcionar
melhor se estes vinhos clássicos não fossem vistos apenas como
vinhos de sobremesa. Penso que o Madeira e o Porto são vinhos de
lazer, para apreciar com tempo de qualidade. Mesmo como aperitivo,
funciona muito bem com comida. E os bares e as casas de vinhos deviam
focar-se como um grupo-alvo e compradores potenciais.

O que
acha das castas portuguesas e da tradição dos blends que
caracteriza os vinhos portugueses? Podem ser uma vantagem junto dos
consumidores alemães?

A primeira mensagem é que Portugal é
uma marca de diversidade, depois que as regiões têm o seu estilo e
por fim que as uvas são um USP [unique selling product]. E na verdade o consumidor médio não
conhece nada sobre estas variedades.

Considera uma boa
ideia eleger a Touriga nacional como casta-bandeira do vinho
português?

É certamente uma das melhores castas, mas não a
única. De algum modo, faz sentido promovê-la, mas a maioria dos
mercados não irão reconhece-la durante muito tempo. Mas não se
deve desistir de ensinar os consumidores.

O que é preciso
para convencer os grandes compradores e sommeliers a colocarem os
vinhos nas cartas dos grandes restaurantes?

Convidando-os e
ensinando-os sobre o que está a acontecer e mostrar-lhes as
experiências da verdadeira cozinha portuguesa acompanhada pelos
melhores vinhos. Muitos não sabem nada sobre a vossa cultura e
vinhos. Se Portugal quer estar nas melhores listas de vinhos, tem de fazer quem decide acreditar no vinhos portugueses.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
epa05492274 A handout picture provided by Intel Corp. on 17 August 2016 shows Intel CEO Brian Krzanich (L) and Technical Marketing Engineer Craig Raymond (R) demonstrating the Project Alloy virtual reality headset during a presentation at the Intel Developer Forum in San Francisco, California, USA, 16 August 2016.  EPA/INTEL CORPORATION/HANDOUT  HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES

Project Alloy. Não é realidade virtual, é realidade misturada

Catarina Martins diz que 2017 será o ano do "combate às rendas, na saúde e como na energia".

Catarina Martins: “Nenhum passo atrás e nenhuma transigência”

Rui Freire conta com experiência na Microsoft, grupo Havas e Global Media Group. Fotografia: DR

Rui Freire passa da Microsoft para o grupo Omnicom

Em 2015, a cadeia celebrou o14.º ano de atividade em Portugal com remodelação dos armazéns de Lisboa e Porto.

Lucros do El Corte Inglés em Portugal sobem 3,8% em 2015

Fotografia: REUTERS/ Lucy Nicholson

Estes são os atores mais bem pagos do mundo, segundo a Forbes

arranjar emprego

Gig economy. A nova moda do mercado laboral não serve a Portugal

Conteúdo Patrocinado
Hendrik Thoma: Vinho português “tem de envolver-se e trabalhar o perfil da diferença”