Fazedores

Hola Darling. Malas em pele de Portugal para o mundo

Carla e Regina Lima, criadoras da marca de malas Hola Darling. FOTO: Direitos reservados
Carla e Regina Lima, criadoras da marca de malas Hola Darling. FOTO: Direitos reservados

A ideia de lançar um projeto conjunto influenciou a vida de duas irmãs. Tinha de ser algo gostassem e os acessórios são uma das paixões partilhada.

Duas irmãs, millennials, e uma vontade: criarem em conjunto algo que adorassem. A ideia, depois muitas horas de debate, deu lugar a um projeto. Mas mesmo antes de haver uma ideia concreta, o objetivo de empreenderem em conjunto esteve sempre presente, moldando a vida das fundadoras da Hola Darling, Carla e Regina Lima.

“Não há um momento específico em que chegamos à conclusão que iríamos criar uma marca e que a primeira coleção seria malas de senhora em pele, e cujo modelo de negócio seria o e-commerce. Somos irmãs, e desde pequeninas sabíamos que um dia iríamos criar algo nosso, isso foi algo com que sempre sonhámos. Essa ideia esteve desde sempre presente, e isso também nos ajudou a escolher a nossa formação académica em Economia, e também Gestão e Empreendedorismo”, conta ao Dinheiro Vivo Carla Lima.

A fazedora admite que “poderíamos ter criado uma marca numa categoria de produtos diferente”, mas na hora de escolher o que mais pesou foi “escolher um produto que gostássemos” e “decidimos começar por acessórios de senhora, porque é algo com que ambas nos identificamos e achámos que poderíamos pôr o nosso cunho pessoal”.

Os primeiros passos para arrancar nesta aventura foram dados no final de 2017. E 2018 foi dedicado a mergulhar neste projeto, começando por conhecer o setor, para depois darem passos mais concretos como os modelos a desenvolve e os parceiros ideais para ajudar no negócio.

No final do ano é dado o pontapé de saída, com o lançamento da marca. As duas empreendedoras sabem que o mundo dos acessórios é vasto e com inúmeros players, mas acreditam que o cunho pessoal que dão às peças as distingue das restantes.

“A Hola Darling representa-nos a nós, irmãs e melhores amigas, que criaram a sua primeira coleção de malas de senhora e decidiram dar os próprios nomes aos produtos! O que nos distingue é também o design e toda a mensagem que tentamos passar através da comunicação que fazemos, quer pela imagem jovem e divertida, quer pelo produto com um design elegante e intemporal. E claro, podemos dizer que a nível do produto é um produto que apresenta qualidade, e isso é fundamental”.

A marca conta com parcerias nacionais e internacionais para a produção. Para já, apenas as duas empreendedores trabalham neste negócio, tendo de arregaçar as mangas e fazer um pouco de tudo. O feedback dos clientes tem sido “positivo e encorajador, e mesmo com uma coleção inicial ainda pequena, termos clientes que já têm mais do que um produto”, abrindo assim portas ao crescimento.

Financiada até aqui com capitais próprios, a Hola Darling sabe que para cumprir a missão de crescer precisa de mais capital. “Claro que no cenário ideal, quanto mais cedo melhor, porque o nosso objetivo é ver a empresa crescer, expandir-se. E é importante quer a nível da introdução de novos produtos, quer a nível de atividades de marketing e publicidade. A divulgação é muito importante para todas as empresas, mas é especialmente importante para novas empresas. O passa-palavra é, naturalmente, eficaz, mas se pudermos amplificar isso e chegar a cada vez mais pessoas, isso é essencial. E é nesse sentido que o investimento na área da comunicação se revela necessário, para dar a conhecer a marca a novos consumidores”, explica Carla Lima.

Apesar de venderem apenas online, um dos segmentos que mais cresceu nos últimos meses, a pandemia também deixou os seus efeitos. Numa primeira fase, admitem, sentiram o impacto da apreensão dos consumidores, mas “com o tempo percebemos que a confiança voltou”. Ainda sem um fim à vista para a pandemia, os planos para o futuro podem sofrer alguns atrasos. Mas Carla e Regina sabem o que querem: “ver a nossa gama de produtos a crescer gradualmente e oferecer aos clientes novos produtos. E por isso mesmo estamos a desenvolver novas coleções e que vão complementar aquilo que já existe”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Hola Darling. Malas em pele de Portugal para o mundo