crowdfunding

Housers devolve capital e juros a 700 investidores de 54 apartamentos no Porto

Foto: Housers
Foto: Housers

Investidores financiaram a aquisição de um terreno onde vão ser construídos 54 apartamentos.

Não chegou a passar um ano desde que 717 investidores apostaram na compra de um terreno em Paranhos. O promotor espanhol do projeto, um empreendimento que vai ter 54 apartamentos, decidiu reembolsar o empréstimo mais cedo.

Na semana passada, os mais de 700 investidores da Housers receberam o capital investido mais os juros prometidos, num total que ultrapassou os 430 mil euros. Foi a primeira vez que a plataforma de crowdfunding concluiu um projeto em Portugal. O balanço, diz João Távora, CEO da empresa em Portugal, foi “muito positivo e serve para dar confiança”, tendo em conta os riscos associados a este tipo de investimento.

“O projeto tinha uma rentabilidade anual prevista de 8%. A taxa acabou por ser um pouco mais alta porque o projeto foi financiado em 11 meses e não em 12, como estava previsto. A rentabilidade acabou por ser de 8,7% porque temos uma cláusula que obriga ao pagamento de um juro de 30% nos meses que faltam, se a amortização for antecipada, como foi o caso”, explica o responsável em entrevista ao Dinheiro Vivo.

Em média cada investidor ganhou 50 euros em juros, além de ter recebido de volta o capital que investiu. “Alguns receberam 8 ou 10 euros, outros receberam 100 euros. Depende da quantia que investiram”, elucida João Távora.

Dos mais de 700 investidores no projeto, 157 eram portugueses, o equivalente a 22%. Uma proporção elevada, diz o CEO, tendo em conta que há um ano “havia poucos portugueses inscritos” na plataforma, e o seu peso nos investimentos rondava os 8%.

Do dinheiro que voltou para as mãos dos investidores, 41% já foi reinvestido noutros projetos da plataforma. No total, 47% dos participantes voltaram a apostar. João Távora ressalva que “o ideal seria que a totalidade do capital fosse reinvestido, mas isso nunca acontece”. Ainda assim, espera que o valor aumente, visto que a devolução foi feita apenas há uma semana.

Quanto ao empreendimento do Porto, João Távora adianta que o promotor está na fase final da obtenção de licenças, sendo que os 54 apartamentos já estão em pré-venda. Já a próxima devolução de capital só deverá acontecer no final do ano, quando o projeto que a Housers anunciou em dezembro para a construção de um hotel em Alcobaça completar 12 meses.

Aposta em captar promotores

Depois do esforço para seduzir investidores, em 2019 a plataforma vai concentrar esforços em chamar a atenção de promotores imobiliários. A Housers quer posicionar-se junto dos promotores como uma “alternativa ou complemento” ao financiamento bancário.

“Pode parecer por vezes um financiamento caro, mas os promotores começam a perceber que, em comparação com um banco, oferecemos mais agilidade, rapidez, menos burocracia e produtos à medida de cada um”.

Desde que entrou em Portugal, em outubro de 2017, a plataforma conquistou mais de nove mil investidores portugueses, que apostaram mais de três milhões de euros no financiamento colaborativo de imóveis, com a promessa de juros anuais mais elevados que os oferecidos atualmente por produtos tradicionais, devido ao fator risco.

Em 2019, revela João Távora, a Housers já angariou para projetos a desenvolver em Portugal perto de 1,5 milhões de euros. “É um montante que está em linha com quase tudo o que fizemos em 2018, em que captámos 1,7 milhões de euros. Se o ritmo se mantiver, no final do primeiro trimestre já teremos igualado todo o ano de 2018”, destaca

O responsável espera chegar ao fim do ano com 3,5 ou quatro milhões de euros captados em Portugal.

A plataforma que começou por apostar em projetos nos centros de Lisboa e Porto está agora empenhada em sair das grandes cidades.

“Começámos pelos centros porque era onde havia mais projetos e transmitiam mais confiança. Superada essa fase inicial, e conhecendo o o produto, os investidores sentem-se mais cómodos com projetos fora das cidades, onde por vezes ate há oportunidades com uma rentabilidade mais alta e um nível de risco mais baixo”. Depois de Loures e Meco, João Távora promete novidades para “muito em breve” para os investidores da Housers em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal

BES: Processos contra Banco de Portugal caem para metade

O primeiro-ministro, António Costa, gesticula durante o debate quinzenal na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de março de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

António Costa: “Portugal vai continuar a crescer acima da média europeia”

Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/ LUSA

Rendas na energia: João Matos Fernandes encontrou “ambiente crispado”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Housers devolve capital e juros a 700 investidores de 54 apartamentos no Porto