Emprego

Indie Campers contrata mais 150 pessoas para Portugal e nove países

Hugo Oliveira, fundador e CEO da Indie Campers. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens
Hugo Oliveira, fundador e CEO da Indie Campers. Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Startup portuguesa pretende cimentar o crescimento das receitas e acompanhar o reforço da frota de autocaravanas

A Indie Campers prepara-se para contratar mais 150 pessoas nos próximos meses. A maior empresa de aluguer de autocaravanas da Europa procura as pessoas “mais atenciosas do mundo” para Portugal e outros nove países. O objetivo é cimentar o crescimento das receitas e acompanhar o reforço da frota de autocaravanas.

Marketing, financeira, excelência do cliente (customer excellence) e operações são as principais áreas onde a Indie Campers precisa de reforços, sobretudo “simpáticos, disponíveis, atenciosos e aventureiros”. Além de Portugal, as vagas também estão disponíveis nos restantes mercados desta startup, como Espanha, França, Alemanha, Croácia, Reino Unido, Bélgica, Holanda, Itália e Suíça.

“O sucesso desta empresa deve-se às nossas pessoas. São elas que, independentemente da sua função, acompanham e cuidam do cliente durante toda a viagem, para que este tenha uma experiência sem preocupações”, assinala Hugo Oliveira, líder da Indie Campers, ao Dinheiro Vivo.

A startup portuguesa também pretende proporcionar um ambiente de trabalho “único e memorável”. Além do salário e do seguro de saúde, há regalias como ginásio grátis, acesso a autocaravanas de forma gratuita e descontos em parceiros selecionados.

Fundada em 2013, a Indie Campers regista um crescimento médio anual de 420%. No início de outubro, permitiu uma saída de êxito à Portugal Ventures. A sociedade de capital de risco pública vendeu a posição que detinha na Indie Campers e obteve uma mais-valia de 610 mil euros com esta operação, apurou na altura o Dinheiro Vivo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Indie Campers contrata mais 150 pessoas para Portugal e nove países