novos negócios

Indie Campers. O sonho americano numa carrinha de roadtrip

Hugo Oliveira, fundador da Indie Campers, uma empresa de aluguer de carrinhas para viver o sonho americano. 
(Leonardo Negrão/Global Imagens)
Hugo Oliveira, fundador da Indie Campers, uma empresa de aluguer de carrinhas para viver o sonho americano. (Leonardo Negrão/Global Imagens)

Pela estrada fora, ao longo da costa, com o céu e o mar azul e nem uma preocupação no mundo.

Hugo Oliveira tem olheiras profundas e camisa de manga curta amachucada. Às 9 horas ainda não tinha dormido. Só que, ao contrário do que muitos outros jovens de 27 anos fariam para festejar o verão em pleno, Hugo não foi sair à noite: esteve a trabalhar. E depois de nos receber ia ter uma “reunião importante”. “Ainda tenho de ir a casa mudar de roupa.”

A Indie Campers, fundada por Hugo e por um colega que deixou o projeto logo no início, quer vender o sonho americano mais romantizado do mundo, as roadtrips numa camper van, que é como quem diz, numa carrinha. Não são autocaravanas, são carrinhas mais pequenas – e, por isso, mais fáceis de conduzir -, e completamente adaptadas ao campismo. É nelas que Hugo quer que todos possam correr a Península Ibérica (para já), de prancha de surf atrás e os cabelos ao vento. Tudo isto com o século XXI sempre presente: “O que nos diferencia é, não só o facto de o nosso produto ser de fácil manutenção e condução, a custos mais reduzidos, como também a nossa estratégia digital e tecnológica. Estamos a desenhar uma aplicação e somos talvez o único serviço turístico com internet gratuita em todas as carrinhas, e de alta qualidade. O objetivo é que o aconselhamento aos nossos clientes seja mais permanente, quase em tempo real, durante a viagem”, explica Hugo.

As carrinhas são compradas a fornecedores e depois adaptadas ao campismo. São eles que as desenham, quer por dentro, com todas as comodidades, quer o design por fora.

“Não somos uma rent a car, somos um serviço turístico. Mas somos os melhores amigos dos nossos clientes. Ajudamo-los a preparar a viagem a partir do momento em que entram em contacto connosco. Damos um acompanhamento individual a cada um dos nossos clientes”, continua o CEO da Indie Campers.

Foi numa viagem à Austrália, uma roadtrip a sério, com tudo a que teve direito, que o fez pensar neste negócio. Reparou que esse tipo de carrinhas eram muito comuns e pensou em trazê-las para Portugal. Aproveitou o mestrado em Gestão com especialização em Inovação e Empreendedorismo para fazer um estudo de mercado e um plano de negócios. Estava dado o primeiro passo para a criação da própria empresa. Despachou a tese e ficou com os dados que precisava para ir em frente.

As carrinhas são compradas a fornecedores e depois adaptadas ao campismo. São eles que as desenham, quer por dentro, com todas as comodidades, quer o design por fora.

“A análise que fiz do mercado fez com que acreditasse que valia a pena. A ideia sempre foi criar um conceito que pudesse crescer rapidamente e que tivesse potenciais clientes no estrangeiro.” Hugo tinha 24 anos e estava a juntar duas paixões: as viagens e a criação de uma empresa sua. “A persistência, aquela coisa pouco segura de criar um negócio próprio, a possibilidade de o fazer crescer, foi uma coisa que sempre me aliciou.”

Começou com seis carrinhas em 2013. Em 2015 já tinha 25 e levantou investimento da Portugal Ventures, através da Call for Entrepreneurship. Este ano chegou às 100 e em 2017 garante que vão ser centenas.

(Leonardo Negrão/Global Imagens)

(Leonardo Negrão/Global Imagens)

A Indie Campers nasceu há três anos com um investimento de 30 mil euros, 20 mil dos quais de um programa de microcrédito. Os outros 10 mil vieram de amigos e família que, além do dinheiro, lhe deram outros tipos de apoio: “Porque o investimento não são só as carrinhas: é o site, os conteúdos, design, toda a comunicação online. Tudo isso foi feito de maneira gratuita, com a ajuda de amigos e família, em troca de viagens, ou até em troca de nada.”

Hoje trabalham cerca de 20 pessoas na Indie Campers. As carrinhas estão presentes em toda a Península Ibérica e Biarritz, em França. Para 2017, preveem estar nas maiores cidades de França, Itália, incluindo Sardenha, Sicília, Córsega, e Canárias.
A faturação está já na “casa dos milhões” e o CEO diz que só é possível porque tem uma equipa “inacreditável” a trabalhar com ele. “Ter a equipa certa é a única forma de uma ideia ou conceito resultarem.”

As carrinhas, equipadas com eletricidade, cozinha, duas camas duplas, fogão, cooler e algumas até com casa de banho, são reservadas exclusivamente online e custam entre 39€ e 139€ por dia. Do total de clientes, 99% são estrangeiros e, desses, diz Hugo, “50% são alemães”. Há casais em viagens românticas, famílias com filhos e grupos de amigos. Por isso, nas carrinhas acontece de tudo, desde pedidos de casamento, a chaves que vão ao banho com os clientes e depois não funcionam, passando por condutores que ficam atolados e têm de ser salvos por tratores. Também há os que se cruzam na estrada e que, ao ver que têm carrinhas da Indie Campers, param para tirar uma fotografia.

Ainda que a maioria dos clientes sejam estrangeiros, 70% das localizações Indie Campers são nacionais: “Os nossos clientes ficam loucos com o estado em que está preservada a nossa costa. São malucos por surf, a ideia de surfar é fantástica, mesmo que muitos deles não sejam surfistas. E acham que toda a gente em Portugal faz surf. Para eles somos todos surfistas”, diz. E acrescenta: “Poder criar uma empresa de uma coisa que toda a gente gosta de fazer e apanhar os clientes no momento mais feliz do ano deles, é um prazer”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

No final de 2019 Estado terá mais 11 400 novos funcionários

Lucília Gao com Joana Marques Vidal no dia da sua tomada de posse como diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa © DR-Ministério Público

Lucília Gago é a nova PGR. Tudo o que precisa de saber

Juan José Dolado, economista, investigador e professor universitário (Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Pior do que a precariedade vão ser os baixos salários”

Outros conteúdos GMG
Indie Campers. O sonho americano numa carrinha de roadtrip