startups

Internet contribui para que haja cada vez mais unicórnios na Europa

Farfetch é de um português mas está sedeada no Reino Unido
Farfetch é de um português mas está sedeada no Reino Unido

A Europa está a acelerar a produção de unicórnios - start-ups avaliadas em mil milhões de dólares ou mais - e o Reino Unido é o campeão absoluto deste tipo de empresas, com 17 das 40 atualmente contabilizadas pelo <a href="http://www.gpbullhound.com/wp-content/uploads/2015/06/GP-Bullhound-Research-Billion-Dollar-Companies-2015.pdf" target="_blank">estudo da GP Bullhound</a>, mais treze do que no verão do ano passado.

Ainda assim, a Europa mantém-se muito atrás da capacidade de geração de unicórnios dos EUA, que, no mesmo período, desenvolveram 22 novas start-up avaliadas em mais de mil milhões de dólares. E o valor cumulativo dos unicórnios europeus (120 mil milhões de dólares) mal chega a metade do valor de um Facebook (230 mil milhões de dólares) e fica muito longe dos 737 mil milhões da Apple.

No mesmo período, a Europa ainda perdeu três unicórnios: a boohoo.com, a eDreams ODIGEO e a Monitise.

É no Reino Unido que estão sedeadas alguns dos novos unicórnios, como a Farfetch, a Shazam, a Asos. Os setores que mais unicórnios têm gerado são o comércio eletrónico, o software e as lojas, com a fatia das empresas que prestam serviços financeiros baseadas em tecnologia a crescer mais rapidamente (sete unicórnios) e mais vezes localizadas no Reino Unido, tomando vantagem da posição de Londres nos mercados financeiros globais.

Entre os maiores geradores de unicórnios está, por exemplo, a Suécia, com seis novos unicórnios, entre os quais o Skype ou o Spotify; a Alemanha com mais quatro unicórnios, geralmente voltados para os consumidores; a Rússia, com três; ou a Finlândia, com dois.

A maioria dos unicórnios é fundada por empreendedores na casa dos 30 anos (58%) e apenas 23% tem menos de 30 anos. Uma em cada cinco é fundada por empreendedores com mais de 40 anos. Mas só metade (52%) se mantém na empresa, sendo que 13% das empresas já não inclui qualquer fundador e 35% mantém pelo menos um.

Para chegar a esse momento de venda ou IPO, as empresas aguardaram em média oito anos. Para lá chegar, a maioria teve de angariar 140 milhões de dólares em investimento, proveniente de cinco a oito investidores (37%). A boa notícia é que, em média, o capital investido é multiplicado 54 vezes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Internet contribui para que haja cada vez mais unicórnios na Europa